Emagrecimento: uma questão de escolhas

A palavra emagrecimento está no pensamento de muitas pessoas, que se sentem insatisfeitas com seus corpos, principalmente nos meses que antecedem o verão onde a exposição do corpo é maior.

A dieta mais aconselhável é aquela que é possível seguir por uma filosofia de vida, onde é possível aprender a reeducar o contexto de vida para beneficiar a saúde e o corpo, tendo dados clínicos que sirvam como base para as escolhas.

Para isso são necessárias duas atitudes: reduzir e manter o peso corporal. Muitas pessoas se perdem no manter, por isso, é muito importante o acompanhamento médico, para avaliar as condições de saúde da pessoa, afim de mensurar os dados clínicos e avaliar fatores de risco, qual composição corporal é mais adequada para aquela pessoa, conforme a faixa etária, genética e estado de saúde.

Já a redução é pautada na organização da alimentação, tendo uma dieta composta por todos os nutrientes que o corpo necessita para o seu bom funcionamento, essa dieta deve ser prescrita por uma nutricionista, personalizando o cardápio conforme a faixa etária, costumes, cultura dessa pessoa, especificando o tipo de alimento e a quantidade.

O movimento do corpo também é muito importante, pois gera gasto energético,  fundamental para haver a redução de gordura e o aumento da musculatura, fazendo a troca real do emagrecimento que é reduzir gordura e aumentar massa muscular. O comportamento e o emocional são fundamentais para esse processo, afinal quem comanda as ações são as nossas percepções e pensamentos.

Emagrecer e manter o peso corporal requer organização e inserção de uma nova percepção e mentalidade do seu contexto de vida, incluindo os exercícios físicos na semana, aprendendo e redescobrindo o paladar de uma alimentação baseada no sabor, na qualidade e no prazer, tendo foco no que está comendo, relaxando e reconhecendo as emoções.

O desejo está dentro de si e os profissionais instrumentalizam você para esse projeto de saúde, mas quem faz a operação e tem o protagonismo é você, quando toma as decisões. Por isso que emagrecer não é um momento da vida, mas sim uma nova filosofia!

Psicólogo do Kurotel Michael Zanchet

CRP: 07/13384

11 de outubro: Dia Nacional da Prevenção a Obesidade

A osteoartrite ou artrose é uma doença crônica, caracterizada por degeneração da articulação (cartilagem articular, ossos, músculos e ligamentos e sinóvias) gerando dor e rigidez à movimentação, sendo mais comum em mulheres acima de 65 anos. Devido esses fatos, os indivíduos que apresentam artrose apresentam dificuldades funcionais, especialmente na locomoção. A osteoartrite tem a característica de afetar as articulações do quadril e joelho, preferencialmente, por serem articulações que suportam o peso. Mas estudos recentes mostram que a osteoartrite não possui apenas características mecânicas, pois tem aumentado o índice da doença em articulações que não possuem características de suporte, como as mãos.

O excesso de peso é um fator causante e agravante para o desenvolvimento de osteoartrite. Estudos mostram que a articulação do joelho sofre forças de impacto de seis vezes o peso corporal. Esse dado aponta que quanto maior o peso corporal, maior a propensão do surgimento de osteoartrite e maior as limitações funcionais do indivíduo. Além disso, o tecido adiposo é um órgão que libera alguns fatores ao nosso corpo, como a adipocitocina. Essa substância leva a um aumento de processo inflamatório e degeneração da matriz na articulação. Quanto maior a quantidade de tecido adiposo, maior a concentração de adipocitocinas. Isso justifica articulações que não recebem carga também serem alvos de osteoartrite. Por isso a importância da manutenção do peso através de exercícios orientados.

Fisioterapeuta Jaqueline de Souza Correa

News Kur – Qual o melhor exercício para minha idade?

A inatividade física é um problema mundial de saúde, uma epidemia silenciosa e subvalorizada. Mas qual exercício devemos fazer, qual a recomendação para cada faixa etária?

Primeiramente devemos esclarecer que não existe um exercício ideal, existem algumas orientações embasadas cientificamente que podem lhe ajudar a sair do sedentarismo de uma vez por todas.

Faixas etárias X exercícios

Crianças e pré-adolescentes:  atividades lúdicas e cooperativas (brincar é fundamental), jogos coletivos, danças, etc. Estas estimulam valências físicas diversas, como coordenação, equilíbrio, força, agilidade, velocidade, ritmo, assim como atividades aeróbias, de preferência ao ar livre.

Adolescentes: A partir deste momento do crescimento e desenvolvimento, já começamos a destacar a importância dos exercícios resistidos. Nesta etapa pode ser inserida a musculação, desde que tenha o acompanhamento de um profissional de educação física, executando um treinamento específico para esta idade. A indicação de atividades aeróbias continua adequada, bem como atividades programadas e supervisionadas no esporte.

*crianças, pré-adolescentes e adolescentes devem acumular, pelo menos, 300 minutos por semana de atividade física. Atividades com videogames interativos não substituem a qualidade e quantidade das atividades físicas necessárias.

Adultos: Nesta fase se faz necessária a realização de exercícios resistidos, pois ao longo da vida reduzimos massa muscular progressivamente e é essencial de encontro a esta condição da natureza humana. Pilates, Musculação, Treinamento Funcional, Cross Fit, Natação, Corrida de rua, Bike, Yoga… Independente do que você escolher fazer, devemos ter como pilar o fortalecimento muscular pelo menos duas vezes por semana, de preferência com personal trainer periodizando seus treinos. Orientamos que seja realizado também o exercício aeróbio em sua rotina, acumulando pelo menos 150 minutos por semana.

Idosos: Aqui podemos afirmar que o exercício resistido é imprescindível, é a fase onde mais precisamos readquirir a massa magra (massa muscular) perdida, isso se traduz em independência, autonomia e mais qualidade de vida. Idoso pode fazer musculação, pilates, treinamento funcional. Sugerimos caminhadas ao ar livre em ritmo moderado a intenso conforme orientação de um profissional da área da saúde. A tão indicada hidroginástica é um ótimo exercício com baixo risco de lesão, porém não substitui o trabalho específico de força, pois este aumenta mais efetivamente a densidade óssea e massa muscular.

Não há um “melhor exercício”, nem um exercício ideal. Faça o que for mais viável e prazeroso, mas sempre se mantenha ativo fisicamente. Não existem soluções milagrosas, sua meta será alcançada com regularidade e disciplina. A ordem é e diminuir o “tempo de tela” e se mexer mais. Assim você estará garantindo um futuro melhor.

Aline Amorim e Maria Cristina Schokal Educadoras físicas do Kurotel

Dr. Renato Kalil Médico do Esporte do Kurotel

Atividades físicas e de lazer contra o estresse e a ansiedade

A prática de atividades físicas e momentos de lazer são essenciais no controle do estresse e da ansiedade.

Listamos algumas atividades que podem ser incluídas na sua rotina para que você sinta-se bem:

Exercícios: caminhada, bicicleta, artes marciais, musculação, pilates, hidroginástica…

Pratique exercícios físicos com regularidade, mas sempre com orientação do educador físico, realize atividades que lhe proporcionem o sentimento de prazer e que faça você controlar o foco atencional, desativando a mente. Desta forma você consegue contemplar os benefícios para o físico e o mental.

Lazer: jogar jogos, conversar com amigos e familiares, pintar, escutar música, ir ao cinema ou teatro, tocar um instrumento, praticar atividades de jardinagem…

Para o lazer, a linha de raciocínio é a mesma. Pratique atividades com quem você gosta, ou individualmente, ao ar livre ou em espaços específicos, mas que você possa canalizar o seu fluxo de ideias e energia física para aquela atividade, desativando a mente e vivendo o presente.

Nosso Programa Controle do Estresse e da Ansiedade pode lhe auxiliar neste momento. Permita-se vivenciar esta experiência conosco. Saiba mais em: https://www.kurotel.com.br/programa/controle-do-estresse

 

Hidratação é importante?

Todos nós sabemos que a hidratação é superimportante para o pleno funcionamento do organismo, pois é através da ingestão hídrica que os processos de absorção, digestão e excreção do nosso corpo ocorrem adequadamente. Além disso, estar bem hidratado é essencial para o transporte de nutrientes, para a regulação da temperatura corporal, para o bom funcionamento do sistema circulatório e dos rins, e para a hidratação da pele, cabelos e unhas.

Segundo a European Hydration Institute a ingestão de água deve provir cerca de 20 a 30% das frutas, hortaliças e legumes, e 70 a 80% da água e bebidas.  Isso significa que precisamos de cerca de 25 a 30 ml de líquidos para cada kg de peso corporal para garantir uma hidratação adequada. Se fizermos o cálculo este cálculo uma pessoa de 60 kg necessita tomar aproximadamente 1,8 litros de líquido por dia, sendo este especialmente a água.

Durante o verão ou prática de exercícios físicos aumenta a necessidade de água do organismo, pois suamos mais. Com o suor, além da água, perdemos também sais minerais. Quando as perdas de água se tornam maiores do que a reposição, o organismo entra em processo de desidratação, o que é extremamente perigoso e, em casos extremos, pode ser fatal. Para que haja um melhor aproveitamento dos líquidos ingeridos, importante toma-los ao longo do dia (cerca de 200 a 250 ml por vez a cada 1 ou 2 horas).

Além da água, também é interessante tomar sucos de frutas naturais ou consumir as frutas (especialmente as ricas em potássio, um regulador da hidratação das células, como melancia, melão, morango, abacaxi) ou água de coco natural que possuem quantidades equilibradas de sais minerais e água. Evitar alimentos muito condimentados, açúcar, temperos, excesso de café e outras bebidas que contenham cafeína (chá verde, chá branco, chimarrão, chá preto) e bebidas alcóolicas, que levam à maior eliminação de líquidos.

Essencial hidratar-se antes de exercícios físicos (no mínimo ½ garrafinha, 1 hora antes da atividade física) e também durante o exercício (1 copo a cada 15 ou 20 minutos). Não é necessário tomar bebidas isotônicas a não ser que o exercício seja intenso (em que houver perda de mais de 2% do peso após os exercícios, em comparação com o peso anterior ao exercício) e/ou com duração maior do que 2 horas.

Outra recomendação é evitar o consumo exagerado de líquidos junto às refeições principais, pois prejudicam a digestão dos alimentos devido à diluição dos sucos gástricos e produção das enzimas digestivas, o que leva a pouca absorção de nutrientes e pode gerar sintomas como distensão abdominal e gases. Procure tomar líquidos cerca de trinto minutos antes das refeições principais (almoço e jantar) e aguarde no mínimo sessenta minutos após a refeição para voltar a tomar maior quantidade de líquido (neste período, limite a ingestão à 100ml copo de água).

 

Artigos pesquisados

EFSA, Scientific Opinion on the substantiation of health claims related to water and maintenance of normal physical and cognitive functions (ID 1102, 1209, 1294, 1331), maintenance of normal thermoregulation (ID 1208) and “basic requirement of all living things” (ID 1207) pursuant to Article 13(1) of Regulation (EC) No 1924/20061; EFSA Journal; 2011; 9; 2075-2091. 

 

Kolasa, K.M., Lackey, C.J. & Grandjean, A.C. Hydration and Health promotion. Nutrition Today. 2009; 44: 190-201. 

 

Institute of Medicine (U.S.) Panel on Dietary Reference Intakes for Electrolytes and Water (2005) Dietary reference intakes for water, potassium, sodium, chloride, and sulfate / Panel on Dietary Reference Intakes for Electrolytes and Water, Standing Committee on the Scientific. Evaluation of Dietary Reference