Emagreça com saúde

A imagem corporal é muito explorada na sociedade contemporânea e muitas vezes as pessoas buscam dietas milagrosas para obter um padrão de beleza imposto e se esquecem do maior patrimônio que é a saúde.

Para emagrecer de forma saudável é preciso uma reeducação composta pela análise completa dos comportamentos pessoais, vislumbrando quais são os objetivos de vida e a partir desta, modificar os hábitos e estilo de vida por meio de uma equipe transdisciplinar composta por psicólogo, educador físico, nutricionista e médico.

A avaliação médica irá fornecer dados clínicos sobre a saúde, que serão importantes para identificar se o funcionamento hormonal está dentro da normalidade ou se existe alguma disfunção que pode afetar o emagrecimento. A nutricionista vai verificar os hábitos alimentares, fará uma avaliação de nutrientes e fornecerá uma dieta balanceada, com equilíbrio de nutrientes.  Para exercitar-se de forma correta, a avaliação física e a orientação de um educador físico é imprescindível e o auxílio do psicólogo ajuda no reconhecimento dos motivos que prejudicam o estabelecimento de uma dieta saudável e as variáveis emocionais que podem afetar no processo, como estresse, ansiedade, sintomas depressivos, a relação com o próprio corpo, a forma de pensar e culturas herdadas relacionadas à comida.

Emagrecer e manter o peso com saúde tem a ver com uma reeducação de um estilo de vida, através da aprendizagem de comportamentos benéficos ao corpo.

Michael Zanchet – Psicólogo do Kurotel

Emagrecimento: reeducar é preciso!

O emagrecimento saudável ocorre através de um processo de reeducação do estilo de vida onde o indivíduo é visto como um ser total. É a resposta da troca de uma massa corporal gorda por uma massa corporal magra, ou seja, a redução da gordura e o ganho de músculos.

Existem três variáveis que influenciam no emagrecimento: o exercício físico, a qualidade e organização da alimentação e o gerenciamento emocional. O gerenciamento emocional voltado para o emagrecimento chama-se Terapia Cognitiva para o Emagrecimento e engloba três áreas: a Psicologia, a Nutrição e a Educação Física. A nutricionista elabora um planejamento alimentar personalizado, o educador físico prescreve o exercício físico e o psicólogo trabalha a influência do pensamento nas emoções e no comportamento.

O modelo cognitivo parte da premissa que ideias e pensamentos desencadeiam a emoção, que pauta uma ação (comportamento) e traz como consequência uma reação física.

Uma pessoa que faz um juízo de valor negativo de si própria e pensa que é incapaz de desempenhar uma determinada função acaba sentindo-se triste e ficando ansiosa. Caso encontre uma barra de chocolate acaba comendo, pensando: “não resisto” ou “eu mereço”. Posteriormente tem uma reação física como desconforto abdominal e sentimento de culpa.  Nestes casos o pensamento é automático e disfuncional e, muitas vezes, acontece em frações de segundos. O terapeuta ensina a reconhecer os pensamentos disfuncionais e elaborar técnicas para que o indivíduo possa responder de forma adaptativa, revertendo o pensamento, antes de ocorrer um comportamento desfavorável.

Além dessa revisão do pensamento, o psicólogo vai atuar no comportamento; abordando, assim, assuntos como: a organização do ambiente, o ritmo das refeições, a diferenciação da fome e da vontade de comer, o planejamento de uma agenda e o preparo para se pesar.

 

Emagrecer requer: a integração do corpo e da mente, comer de forma fracionada, não ter pressa, comer conscientemente e não de maneira automática, exercitar-se, relaxar, ocupar a mente com aspectos saudáveis, relacionar-se com as pessoas importantes. Em resumo, adotar um conjunto de fatores que levam a uma reeducação do estilo de vida e não somente um processo com data para acabar.

Muitas pessoas buscam resultados através de sacrifícios, com metas que têm data para acabar: “quero emagrecer para estar bem no casamento do meu filho”, “para colocar o biquíni ou a sunga no verão”. Então, quando chega a data específica acaba a motivação.

Por isso, o termo dieta talvez não seja o mais apropriado, pois vem carregado de sacrifício. A expressão reeducar, por sua vez, é mais adequada, por representar um aprendizado para uma vida saudável. A motivação, nesse caso, está na saúde.  O equilíbrio entre a alimentação – na qualidade, na quantidade e no fracionamento – juntamente com o gerenciamento das emoções e o exercício físico planejado, dará uma resposta positiva para o organismo.

Como eu posso me reeducar?

É fundamental diferenciar emagrecer de perder peso. Quem quer meramente perder peso, está querendo se autodestruir, perder saúde, músculo, osso, pele, água, tempo, dinheiro, ganhando, por outro lado, envelhecimento precoce. Já quem deseja emagrecer, busca reduzir a massa corporal gorda (gordura) e adquirir a massa corporal magra (músculo). Para isso, é necessário planejamento e requer tempo, check-up, exercício físico, alimentação saudável e trabalho emocional.

A ansiedade, os sintomas depressivos e o estresse são fortes aliados do desequilíbrio físico e emocional. Estas emoções, muitas vezes, são depositadas na alimentação. Uma boa estratégia consiste em se questionar “fome de quê?”, antes de alimentar-se, a fim de tornar o ato de comer consciente e dar a resposta adequada ao que o corpo está precisando naquele momento.

Se o sintoma é cansaço, é necessário descanso. Se o sintoma é fome, é necessária alimentação. Se o sintoma é sede, é necessária água. Se o sintoma é tristeza são necessárias caminhadas, conversas ou até mesmo o silêncio. Se o sintoma é ansiedade, é necessário relaxamento. Enfim o psicólogo baseia seu trabalho estabelecendo estratégias comportamentais. O objetivo disso é o de fazer o reconhecimento dessas emoções, exercitando a reflexão, no intuito de ensinar a lidar com esses sentimentos.

Michael Zanchet

CRP: 07/13384

Psicólogo do Kurotel – Centro de Longevidade e Spa

Alimentação Saudável

Ter uma alimentação balanceada e adequada é fundamental para uma longevidade saudável. Nada melhor que utilizar o dia de hoje para refletir sobre seus hábitos alimentares e propor-se um novo método.

A má alimentação está, muitas vezes, associada ao “piloto automático”, onde o cérebro guia nosso comportamento de maneira mais conveniente, geralmente sem consciência envolvida na tomada de decisão. Tomar consciência da alimentação é o primeiro passo para ter uma alimentação saudável.

Na hora de realizar uma refeição, mantenha a calma. Evite alimentar-se e fazendo algo ao mesmo tempo como ver televisão ou ler. Quando estiver comendo, apenas coma, desfrute deste momento estando presente e sentindo as sensações que ocorrem.  Não permita que a ansiedade, inquietação e falta de paciência predominem. Desta forma é possível impedir pensamentos limitadores e comportamentos automatizados.

Acostume o seu corpo a realizar refeições pequenas, nutritivas e a cada 3 horas, desta maneira seu metabolismo fica em equilíbrio e a sensação de ‘fome’ é reduzida. Opte por alimentos ricos em nutrientes e fibras, como frutas, oleaginosas e grãos.  A escolha adequada e variada previne deficiências nutricionais e doenças, sendo um facilitador para a longevidade saudável.