ORIENTAÇÕES PRÁTICAS PARA UMA VIDA LONGEVA

Por Kátia Stringueto da Revista Bons Fluidos e Luís Carlos Silveira fundador do Kurotel

  1. Mantenha seu check-up em dia. A detecção precoce de doenças ou mesmo de disfunções é de fundamental importância para evitar problemas e interferir de maneira signi­ficativa na expectativa de vida.

 

  1. Coma na medida certa: a restrição calórica é uma das mais bem documentadas atitudes que podem ser úteis para viver mais. Assim, não passe fome, mas termine a refeição quando estiver satisfeito, nunca sentindo que comeu em demasia. Uma alternativa prática pode ser reservar 20% do espaço do prato para não ser preenchido. (“Um quarto do que você come mantém você vivo. Os outros três quartos mantêm o seu médico vivo” – leu-se num hieróglifo encontrado em uma tumba egípcia.)

  1. Atenção aos nutrientes: à medida que o indivíduo atinge a quinta década de vida, a absorção dos nutrientes que ocorre no trato gastrointestinal, especialmente na mucosa do estômago e do duodeno cai signi­ficativamente. Assim, solicite ao seu médico que con­fira os níveis de ácido fólico, vitamina B12 e vitamina D, entre outras. Se estiverem baixos, a suplementação será bem recomendada. Esses são especialmente importantes para a manutenção da boa cognição ao longo do processo de envelhecimento. Ou seja, são bené­ficos para o humor, a memória e a atenção.

 

  1. Cérebro ativo, sempre: o Alzheimer tem maior incidência em pessoas com baixo nível de instrução. Trabalho publicado no ­New England Journal of Medicine mostrou que jogos de cartas, jogos de tabuleiro, palavras cruzadas e leitura podem reduzir o risco de demência em pessoas com mais de 75 anos. Contudo, lembre-se: quanto mais cedo mantiver o cérebro ativo (em equilíbrio), melhor.

  1. Álcool, se ingerido com moderação, tudo bem. Não fume e não use drogas. Não fumantes vivem, em média, dez anos mais que fumantes.

 

  1. Não deixe de tomar seu café da manhã: pesquisa do Instituto de Gerontologia da Universidade da Geórgia revelou que os centenários, diferentemente de quem não atingiu os 100 anos, nunca dispensam essa refeição.

  1. Dentes muito limpos: pesquisadores da Universidade Harvard identi­ficaram que a inflamação bacteriana da gengiva, causada pelo acúmulo de resíduos alimentares entre os dentes, aumenta em 72% o risco de doença cardiovascular. Pessoas com pior saúde bucal (medida pelo número de dentes presentes na boca) morrem mais cedo de doenças cardiovasculares em todas as faixas etárias.

 

  1. Seja ativo: a Associação Americana do Coração evidenciou que exercícios diários moderados ajudam a aumentar o tempo de vida em até seis anos. E, se for possível, mantenha a prática do exercício físico junto ao contato com a natureza. Pesquisadores japoneses concluíram que a expectativa de vida de idosos que moram perto de áreas verdes é maior que a daqueles que vivem cercados de arranha-céus.

  1. Parceria: segundo o Journal of Health Psychology, pessoas que mantêm longas e bem-sucedidas uniões afetivas têm maior expectativa de vida, quando comparadas com pessoas que se casam novamente ou terminam a vida divorciadas. Isso é válido desde que o casal esteja unido por amor, e não por conveniência.

 

  1. Seja legal consigo mesmo – e com os outros: depois de dez anos estudando como a personalidade influi no aumento ou na diminuição da expectativa de vida, pesquisadores holandeses concluíram que ter uma atitude positiva pode diminuir em até 55% o risco de morte prematura. Além disso, novos trabalhos têm indicado que, quanto mais altruísta o indivíduo for, maior o benefício em termos de aumento de córtex cerebral. Segundo um estudo publicado na revista Psychological Science, dar apoio físico ou emocional a outras pessoas reduz em até 60% o risco de morte prematura no idoso.