Criança requer atenção!

A grande questão que preocupa pais e profissionais é a reflexão sobre a educação dos filhos. As crianças nascem livres de repressão, criativas e com grande capacidade de simbolização, quem deve dar educação, limites, proporcionar afetividade, espaço lúdico são as famílias e o estado.

Uma criança e um adolescente tem o direito de:

→ Receber carinho, amor, abraço e afeto;

→ Brincar ao ar livre, estar em contato com a natureza estimulando o movimento, a percepção, a empatia pelo outro. Para isso, é fundamental que os pais e o estado proporcionem espaços públicos lúdicos e de qualidade, para as crianças se desenvolvam pessoalmente com os outros e não fiquem virtualmente “presos” dentro de suas casas;

→ Receber o “não”, os limites e internalizar as regras de convivência para criar empatia;

→ Ter condições ambientais adequadas e que proporcionem bem-estar, acolhimento e desenvolvimento;

→ Ter orientação e educação, que permitam desenvolver as suas capacidades físicas, cognitivas, senso crítico e criatividade;

→ Ter família e amigos que desenvolvam o diálogo, a brincadeira sadia e o contato pessoal;

→ Ter o tempo dos pais, para dialogar, saber onde os filhos estão, com quem conversam, como está o aprendizado, poder olhar “olho no olho” e saborear o perceber de um sorriso.

A consequência da privação desses direitos pode levar a:

→ Desarmonia familiar;

→ Dependência química;

→ Comportamentos antissociais;

→ Morte precoce (suicídio, acidentes automobilísticos, overdose, etc).

Pais! Reflitam, assumam as suas responsabilidades, não atribua ao outro, o que deve ser feito por você. Ame a seus filhos, priorize tempo para eles e assuma as responsabilidades, assim será revertido a incidência de sofrimento psíquico desses jovens que necessitam ter condições ambientais para elaborar seus conflitos naturais da idade.

Psicólogo do Kurotel Michael Zanchet