Meditação como aliada para o emagrecimento

Por muitos anos, se falava em dieta e exercício físico para pilares únicos e fundamentais para o emagrecimento. De fato, eles continuam sendo fundamentais, mas não únicos! É possível que seja feita a “melhor dieta do mundo” para um indivíduo, considerando todas as suas preferências e especificidades e que esta pessoa ainda esteja fazendo o seu treino de exercícios perfeito. Mesmo assim, isto não será completo. Se a pessoa não aprender a se relacionar melhor com ela mesma e com o alimento, o sucesso do emagrecimento está fadado ao fracasso. Sem o cuidado da mente e das emoções, os resultados poderão acontecer por uma semana, quem sabe duas, ou três, com muito esforço. E talvez aí esteja o problema, a percepção do esforço ou do fardo.

 

Cuidar do corpo mental e emocional significa aprender a lidar com a comida e com o ato de comer de uma maneira mais leve e harmoniosa. Aí, sem dúvida, a meditação entra muito bem e exerce papel importante no reconhecimento as emoções. Aumenta a consciência no processo de comer é divisor de águas para o emagrecimento sustentado. Desta forma, isto pode ser feito tanto com a meditação regular quando durante o próprio ato de se alimentar.

O Mindful eating ou o comer com consciência, é um exercício a ser praticado. Isto tem sido amplamente estudado nas melhores universidades do mundo. A Terapia Cognitiva também tem se debruçado sobre o tema e utiliza o que chamamos de Mindulnes Based Cognitive Therapy onde utiliza amplamente a meditação tipo atenção plena para aumentar e melhorar o processo de reconhecimento das emoções, redução da ansiedade e compulsão e na mudança de comportamento. Um trabalho australiano realizado neste ano acompanhou mais de 8.000 mulheres e viu que a meditação e o ioga ajudam não somente as mulheres a terem melhores escolhas para suas saúde, mas também a melhorarem a satisfação pessoal sobre seu corpo (quando comparadas a mulheres de mesmo índice de massa corporal, mas que não praticam as técnicas).

No Kurotel, utilizamos a meditação desde 2007 e a consideramos parte importante do nosso tratamento. Os médicos e psicólogos, quando identificam e relacionam um comportamento ansioso com o sobrepeso e a obesidade, logo prescrevem a técnica e acompanham o andamento.

 

Dra Mariela Silveira

Especialista em Nutrologia e Terapia Cognitiva pela USP. 

 

Dia da Saúde e Nutrição

O dia 31 de março é a data oficial que o Ministério da Saúde escolheu trazer em evidência a importância dos conceitos da Nutrição para a nossa saúde. Nesse dia, instituições públicas e particulares promovem ações visando maior reflexão sobre as boas escolhas alimentares e o valor dos nutrientes. Este é um tema diariamente abordado em conversas corriqueiras com amigos e familiares, em capas de revista com “dietas da moda” e programas de TV que falam de alimentação e culinária.

Porém, como uma instituição que promove saúde, bem-estar e longevidade, a nossa contribuição é disseminar informações de qualidade e proporcionar acompanhamento nutricional e médico quando saúde e alimentação forem os assuntos em evidência. Acreditamos no valor do mindfullness, ou seja, ter atenção plena durante a alimentação, preferir comida de verdade e sempre que possível feita em casa, utilizando o mínimo de alimentos processados. É relevante também combatermos os comportamentos extremos, como terrorismo nutricional, tema comum hoje e que leva muitas pessoas a distúrbios alimentares chamados de ortorexia (obsessão por comer saudável) ou hipermedicalização do alimento que é quando deixamos de ter prazer no alimento e passamos a comer somente pelos efeitos específicos daquela comida que pode ser termogênica, desintoxicante ou para emagrecer e ganhar massa.

Pregamos a alimentação consciente, logo é fundamental separar o momento da refeição e fazê-la com calma, mastigar devagar e saborear o alimento. Tentar usar todos os sentidos e investir um tempo de qualidade, inclusive com as pessoas ao seu redor. Evite usar celular ou TV durante o almoço ou jantar, permitindo que toda a atenção esteja também ligada às sensações que o corpo transmite, diferenciando fome de vontade de comer.

Por isso, ter equilíbrio e bom senso é fundamental para uma boa dieta, mas sem extremos, paranoia com rótulos, sensação de culpa e contagem estrita de calorias. Lembre-se: boas escolhas e bons nutrientes são mais importantes do que calorias.

“Que seu remédio seja seu alimento e que seu alimento seja seu remédio”. Hipócrates