A árvore da longevidade

Por Kátia Stringueto da Revista Bons Fluidos e Luís Carlos Silveira fundador do Kurotel

 

A vida pode ser comparada a uma árvore: existe a genética, que está no centro de tudo, como em uma semente, a qual de­finirá as características da espécie e as combinações que farão com que aquele ser seja único. Bons hábitos, como a adoção de uma alimentação equilibrada, são os galhos, as folhas verdes, as flores e os frutos. Os maus hábitos, como estresse fora de controle, tabagismo, alcoolismo, alimentação rica em gorduras de má qualidade e açúcares são ventos excessivos, tempestades e geada, que gerarão os galhos quebradiços e as folhas secas. É preciso, portanto, regar a árvore sempre com bons nutrientes, para acumular cada vez mais folhas, flores e frutos de maior qualidade e quantidade, e colhê-los ao longo da vida.

O que determina a qualidade do envelhecimento como um todo é o balanço de todos os hábitos, desde a infância. Contudo, sempre é tempo para começar. Apenas para ter uma ideia, prevê-se que a atividade física somada ao controle do estresse podem aumentar em cerca de 30 anos a expectativa de vida. Quando esses fatores são somados ao não uso ou ao não abuso do álcool, a vida pode ser prolongada em 40 anos.