Fortalecimento de vínculo entre mães e bebês

Kinder Kur
Kinder Kur

Quando nasce um bebê, nasce também uma mãe. O nascimento de um filho é um dos momentos mais importantes na vida de uma mulher. Sabendo disso, o Kurotel – Centro Médico de Longevidade e Spa – desenvolveu um programa especial com terapias que cuidam tanto das mães, quanto dos bebês, o Kinder Kur.

O programa é dedicado às mães e seus bebês com até um ano de idade. Um dos tratamentos é a massagem Shantala. Nela, através do toque, é criada uma conexão ainda maior entre mãe e filho, que estimula o sistema imunológico da criança, além de fazer o bebê se sentir mais seguro e acolhido. O mesmo cuidado é dedicado às mães. O programa também auxilia a restabelecer o corpo no período pós-parto, de forma segura e reconfortante, através de acompanhamento médico e nutricional, além de tratamentos estéticos complementares. Há também a terapia mamãe-bebe na água, destinada a reforçar o vínculo e a maternagem. A psicoterapia também é especial para este momento de vida.

 

 

Estilo de vida saudável

Ter um estilo de vida saudável é essencial para uma longevidade com qualidade. Incluir bons hábitos em sua rotina pode prevenir doenças, tanto físicas quanto mentais. A mudança pode ser aos poucos, mas necessita ser de forma sustentável. O importante é que, uma vez incluído um novo estilo de vida, ele perdure para sempre. A manutenção de bons hábitos é o que leva a uma melhor saúde e mais vida para todos.

done

Abaixo 12 orientações do Kurotel – Centro Médico de Longevidade para ter um estilo de vida saudável:

  1. Mantenha uma alimentação saudável, consumindo frutas, vegetais, legumes e fibras diariamente e evitando produtos industrializados, ricos em calorias e pobres em nutrientes.
  2. Reserve tempo para a sua alimentação: café da manhã, lanche no meio da manhã, almoço, lanches à tarde (15h e 17h), jantar e ceia.
  3. Hidrate o seu corpo ao longo do dia, ingerindo pequenas quantidades de água, várias vezes ao dia.
  4. Evite bebidas alcoólicas e não fume.
  5. Pratique exercícios físicos com regularidade. O ideal é realizar o exercício que você mais se identifique para esta prática ser mais prazerosa.
  6. Busque meditar. A meditação pode ser praticada por qualquer pessoa e traz inúmeros benefícios comprovados cientificamente, tanto físicos quanto mentais.
  7. Mantenha a atenção em suas atividades presentes e desfrute de cada momento de forma única.
  8. Procure dormir bem, sem levar problemas para este momento. Relaxe e durma de uma forma tranquila e profunda.
  9. Reserve um tempo para suas atividades de lazer, cultura e bem-estar ao longo da semana. Organize tempo para si, desenvolva hobbies.
  10. Pelo menos uma vez na semana, use a banheira de hidromassagem ou marque uma massagem relaxante ao final do dia ou uma aula de yoga, com o objetivo de baixar o nível de tensão muscular.
  11. Cultive bons sentimentos. Tenha equilíbrio físico e mental, através de um estilo de vida saudável. Desta forma estará mais capacitado e se sentirá melhor fisicamente, com maior gerenciamento das emoções.
  12. Seja feliz!

Treinamento Funcional

FunctionalTraining

O Treinamento Funcional teve origem na reabilitação, quando eram utilizados exercícios que imitavam os gestos que os pacientes faziam em casa ou no trabalho durante a terapia a fim de otimizar a recuperação destes pacientes. Baseado nisso o treinamento passou a ser utilizado na Educação Física para melhora do desempenho e condicionamento físico, bem como melhores resultados e o mínimo de lesões dos praticantes.

Pode-se dizer que movimentos funcionais referem-se a movimentos integrados e multiplanares que envolvem estabilização e produção de força, visando a qualidade do movimento. São exercícios que exigem a coordenação de vários grupos musculares em diferentes direções de acordo com os objetivos específicos de cada aluno. Os movimentos se aproximam mais dos movimentos reais com exercícios em diversas amplitudes onde os sentidos são desafiados para que o corpo consiga manter melhor controle neuromuscular ou estabilidade articular. A vantagem deste método de treinamento é a de atender tanto o indivíduo mais condicionado como o menos condicionado criando um ambiente dinâmico e motivador de treino.

Este treinamento pode ser feito em qualquer lugar, como academia, praças, praia e em sua própria casa. Utilizando o peso do próprio corpo como sobrecarga ou materiais, como: kettlebel, fita de treinamento suspenso, bosu, slide, medicine ball, bola suíça, entre outros.

01 de setembro – Dia do profissional de Educação Física.

Alimentação X Estresse

Filé de peixe com especiarias
Filé de peixe com especiarias – Kurotel

Há momentos em que o corpo sente uma maior fadiga. Ou porque está passando por um estresse familiar, no trabalho ou porque tem pela frente uma maratona de exigências, metas e não quer decepcionar. Nestes períodos a preocupação com uma alimentação rica em determinados nutrientes pode auxiliar no melhor desempenho do corpo e da mente.

O estresse é um aglomerado de reações fisiológicas que em excesso leva a um desequilíbrio no organismo. Geralmente ele ocorre como resposta física ao desgaste mental, jornada de trabalho excessiva, sobrecarga de tarefas e preocupações do dia a dia. A complicação pode gerar problemas de saúde intensos, acarretando desde sintomas gastrointestinais, queda de cabelo e até dores pelo corpo.

Uma alimentação equilibrada pode contribuir no combate a este mal, que acarreta um número cada vez maior de pessoas. Existem alguns alimentos que diminuem a produção de radicais livres por possuírem antioxidantes, fundamentais no combate ao estresse. Além de alimentos ricos em substâncias precursoras de neurotransmissores como a serotonina, responsável pelo bom humor e sensação de prazer.

É importante salientar também, que os maus hábitos alimentares, como ingestão excessiva de cafeína e alimentos muito estimulantes, além de açúcar, sal, e produtos refinados pode agravar o estresse no organismo.

Abaixo seguem alguns alimentos que podem contribuir significativamente na luta contra ao estresse:

  • Castanha do Pará, amêndoa: Rica em magnésio e selênio, minerais importantes no combate ao estresse.
  • Banana: rica em magnésio e vitamina B6, minerais que ajudam na produção de neurotransmissores que diminuem a ansiedade. Também contém triptofano que estimula a produção de serotonina.
  • Feijão, lentilha: possuem magnésio e cálcio, além de serem ricos em triptofano, promovem a produção de serotonina.
  • Aipo: Quatro talos ao dia ajudam a reduzir a liberação do hormônio que causa o estresse. O Aipo também possui niacinamida que promove o relaxamento.
  • Abacate: contém ácido fólico, ferro, magnésio, potássio e vitaminas B3, B6, C e E, auxilia no controle da ansiedade.
  • Maracujá: o chá de maracujá e as folhas da fruta são ricos em vitamina C e também em compostos químicos chamados flavonoides, que ajudam a acalmar o sistema nervoso central.
  • Alface: possui uma substância chamada lactucina, que tem propriedades calmantes, usado às vezes até como sedativos.
  • Brócolis: ajuda no combate à depressão e é rico em ácido fólico, muito importante para ajudar no bom funcionamento das células.
  • Peixes e frutos do mar: os alimentos contêm zinco e selênio, principais componentes para diminuir a ansiedade.

Opte sempre por uma alimentação equilibrada e saudável, pois ela melhora as funções orgânicas, favorecendo um bom funcionamento de todo o corpo e mente.

31 de agosto – Dia do Nutricionista.

A prática da Yoga para a saúde

Sample-Yoga-2

A prática da Yoga surgiu há milhares de anos na Índia e o termo significa unir/integrar. Com o passar dos anos, a prática tornou-se mais frequente e atualmente existem diferentes métodos. Independente do método praticado, a Yoga traz inúmeros benefícios para a saúde, pois trabalha integralmente o corpo, a mente e o equilíbrio emocional, bem como promove energia, mas, ao mesmo tempo, relaxamento.

Alguns possíveis benefícios da prática da Yoga:

  • Auxilia o funcionamento adequado dos órgãos;
  • Aumento da disposição;
  • Melhora da força muscular;
  • Melhora da flexibilidade;
  • Melhora de problemas respiratórios;
  • Melhora da pressão arterial;
  • Melhora da circulação sanguínea;
  • Estimula o bom funcionamento de glândulas endócrinas;
  • Diminui sintomas de ansiedade, insônia e depressão.

Pratique Yoga para uma vida mais saudável.

Fitness para os neurônios

3d rendering illustration of neurons.
Especialistas dão orientações para manter a memória em boas condições

Instigados pelo questionamento de seus clientes sobre como preservar a memória, os médicos e especialistas do Kurotel deram início a um estudo detalhado sobre cognição e afeto. “Com o aumento da expectativa de vida da população, a memória passou a ser muito estudada. E, acima de tudo, cuidada. Afinal, a memória é a identidade que uma pessoa carrega sobre si e sobre sua percepção da vida”, conta Dra. Mariela Silveira, médica diretora do Kurotel. Além disso, a rotina exaustiva e estressante de trabalho também colabora negativamente para o processo.

Segundo o psicólogo Michael Zanchet, as pessoas só dão conta da memória quando ocorre alguma falha, um esquecimento. E isto pode ocorrer por inúmeros fatores, como cansaço, ansiedade, privação do sono, má nutrição, sedentarismo, ter personalidades do tipo obsessivo (que prima pelos detalhes e tem um gasto energético maior) ou extrovertido (não exercita a atenção interna). Outros fatores como o uso abusivo de apoios ou estímulos externos, como computador e calculadora, também são prejudiciais à memória.

Do ponto de vista bioquímico, alguns fatores podem interferir na memória, entre eles o cortisol elevado, que é o hormônio do estresse. Quando estamos estressados e este hormônio aumenta na corrente sanguínea, o estado de vigilância entra em ação no corpo (é a capacidade de se atentar a aspectos gerais do ambiente), mas a tenacidade diminui significativamente (a habilidade de dar atenção para detalhes e colocar a concentração focada).

“É importante ressaltar que nossa memória, assim como nosso tônus muscular, apresenta um decréscimo natural com o envelhecimento. Porém, se estimulada, pode manter-se por mais tempo com uma boa qualidade de funcionamento”, explica a neuropsicóloga Jacqueline Trindade. Para dar início ao tratamento é importante que o médico possa avaliar fatores orgânicos e descartá-los ou tratá-los para que o psicólogo possa trabalhar fatores psicoeducativos de forma a conseguir melhores resultados.

No Kurotel, a avaliação da memória contempla avaliações e baterias completas de testes e instrumentos neuropsicológicos, com o objetivo de estabelecer um perfil de funcionamento das funções cerebrais. Entre os programas do Kurotel é possível encontrar o fitness para os neurônios, que estimula circuitos neurais, focando a atenção, associando fatos às imagens e desenvolvendo pistas cognitivas para ajudar a realizar tarefas, a organização nutricional fundamental para o sistema nervoso central e, eventualmente, reorganização de medicamentos. Além da memória, o workaholismo (ou seja, ser dependente do trabalho), a criatividade e o humor também são trabalhados.

Segundo a fisioterapeuta Graziele Schwengber, através de estímulos externos percebidos pela pessoa e recebidos no cérebro, há melhora no desempenho das tarefas cognitivas, na capacidade de concentração no que está sendo realizado e na formação de novas associações de neurônios.

Oito hábitos saudáveis que fazem a diferença quando o assunto é a saúde da memória e da mente.

  1. Crie estratégias de memória de armazenamento. Por exemplo, associe imagens em torno de conteúdo que você quer armazenar.
  2. Priorize o estilo de vida saudável, adotando exercícios físicos regulares, técnicas de relaxamento, sono com qualidade e uma dieta balanceada, rica em alimentos que contenham vitaminas do complexo B e vitamina D.
  3. Planeje e execute novos projetos de vida. E faça mudanças em suas rotinas automáticas.
  4. Evite o uso de medicações sem recomendação médica e de bebida alcoólica com regularidade. E jamais faça uso do cigarro.
  5. Gerencie suas emoções. Trabalhe a confiança e a motivação.
  6. A leitura é uma das melhores maneiras de estimular a memória. Também faça resumos do que você lê e palavras cruzadas.
  7. Ao mesmo tempo em que a mente precisa de estimulo, precisa de relaxamento e contato com a introspecção. A meditação tem se mostrado um instrumento muito importante para a melhora da concentração, memorização e sensação de bem-estar.
  8. Reserve e proteja sua agenda para fazer atividades em família, de autocuidado e de lazer. Distribua o tempo de maneira equilibrada entre trabalho e vida pessoal.

Longevidade e Espiritualidade

Depois dos chamados “tempos escuros” da humanidade, época em que todos os fatos relacionados à vida ou à saúde eram atribuídos aos miasmas (supostos fluidos de material em putrefação causadores de doenças e maus), a sociedade buscou o realismo científico para explicar a natureza do universo. A partir da segunda metade do século XIX, a presença do mensurável e do comparável passou a ser de extrema importância para a Medicina. Milhares de aspectos físicos, mentais e muitos dos aspectos emocionais puderam ser mapeados e acompanhados. A reação causa-efeito passou a ser a única equação aceita para justificar a saúde ou a doença, como também a vida e a morte. Entretanto, a fé era abstrata demais para um pensamento concreto e moderno. Sigmund Freud chegou a dizer que religião seria uma neurose obsessiva universal e um mecanismo de defesa imaturo. Desta forma, a fé chegou a ser ignorada ou negligenciada, para não dizer ridicularizada.

Mas isto não foi suficiente para trazer o total rompimento do homem com o mundo invisível. As tradições e as igrejas se mantiveram ativas e seguiam promovendo conforto para um aspecto essencial do ser humano. Com o passar dos anos, a ciência que tem como base o questionamento contínuo, revisou seu olhar. Passou a valorizar tudo aquilo que é importante para o ser humano e com isso também, a considerar o impacto do intangível. Nos últimos 40 anos, fé, religiosidade e espiritualidade passaram a ser razão de estudos. Os resultados são incontestáveis e surpreendentes. Viver melhor pode ser atribuído à fé. Viver mais também. Em 30 anos, houve um aumento em 600% dos trabalhos científicos publicados na área da saúde e espiritualidade. Um trabalho do Journal of the American Medical Association (JAMA) mostrou que mais da metade (56%) de 2.000 médicos entrevistados acreditam que a religião e a espiritualidade têm uma influência significativa na saúde dos pacientes. Os resultados dessas pesquisas inicialmente demonstram benefícios em relação à saúde física e emocional. Para os pacientes, esta percepção é ainda mais elevada que a dos médicos. Nos Estados Unidos, uma pesquisa feita pelo Instituto Gallup encontrou que 80% dos americanos diziam que a frase “eu recebo bastante conforto e apoio de minhas crenças religiosas” era verdadeira, sendo que a partir dos 65 anos o encontrado aumentava para 87%. Em seu livro Espiritualidade no Cuidado com o Paciente, o norte-americano Harold G. Koenig verificou que 90% dos pacientes dizem que crenças religiosas e suas práticas são importantes formas pelas quais elas podem enfrentar e aceitar melhor suas doenças físicas, e mais de 40% indicam que a religião é o fator mais importante que os ajudam nessas horas.

Quando se fala em religiões, é possível imaginar que a diversidade entre conceitos e modalidades é grande, e, portanto, compreensível se questionar a validade de diferentes metodologias aplicadas à saúde. Dessa forma, um estudo da Universidade de Georgetown revisou os artigos científicos que mostravam a relação da religiosidade sobre a saúde e encontrou que 81% mostravam benefício na cura, 15% mostravam neutralidade e 4% prejudiciais. Assim, observa-se uma reavaliação da influência da espiritualidade nas condições de vida cotidiana, incluindo-se a sua participação no processo saúde-doença, conforme artigo intitulado “O impacto da espiritualidade na saúde física” publicado na Revista de Psiquiatria Clínica. Para a Association of American Medical Colleges, “espiritualidade é reconhecida como um fator que contribui para a saúde de muitas pessoas”. O conceito de espiritualidade é encontrado em todas as culturas e sociedades. Ela é expressa nas buscas individuais para um sentido último através da participação na religião e ou crença em Deus, família, naturalismo, racionalismo, humanismo, e nas artes. A Association of American Colleges coloca como sendo fundamental para acadêmicos de medicina uma formação adequada na área da espiritualidade. “Os estudantes devem ser advertidos que espiritualidade e crenças culturais e suas práticas, são elementos importantes para a saúde e o bem-estar de muitos pacientes. Eles deverão ser advertidos que é necessário incorporar esta espiritualidade, e crenças culturais e suas práticas, dentro dos cuidados dos pacientes numa variedade de contextos clínicos. Eles reconhecerão que sua própria espiritualidade, crenças e práticas, possivelmente afetarão os caminhos de relacionamento e cuidados com os pacientes.” Mas afinal, o que é espiritualidade? Moberg e Brusek (1978) propõem duas dimensões de espiritualidade, não excludentes entre si: Horizontal – Representada como um recurso interno e subjetivo, mobilizado pela experiência de doação, de fraternidade, através do contato mais íntimo consigo próprio, com a natureza, arte, poesia, ou quaisquer ideais visando bem-estar social, a solidariedade, o cuidado, a tolerância, entre outros. Vertical – Caracterizada por um movimento em direção a Deus, a um Poder Superior.

ESPIRITUALIDADE
ESPIRITUALIDADE

Saúde Cardiovascular

Um estudo realizado e publicado pela American Heart Association mostrou que menos de 1% dos adultos dos Estados Unidos têm índice ideal de saúde cardiovascular. A pesquisa da Universidade de Oklahoma Health Sciences Center envolveu 14.515 homens e mulheres com mais de 20 anos. Exames físicos forneceram dados sobre índice de massa corporal e pressão arterial, e amostras de sangue foram analisadas para níveis de glicose e coleste­rol total. Entrevistados foram ouvidos sobre hábitos como fumar, níveis de exercícios físicos e dieta.

f_262201

Crianças e os Riscos de AVC

As crianças negligenciadas correm três vezes mais riscos de sofrer acidentes vasculares cerebrais (AVCs) na idade adulta, revelou uma pesquisa publicada na primeira semana de setembro na edição online do periódico Neurology. Embora os cientistas afirmem não ter claro o processo exato pelo qual isto ocorre, o estudo revela um crescente conjunto de evi­dências segundo as quais o que acontece na nossa infância tem implicações na nossa saúde ao longo da vida. Um grande número de estudos demonstram que “experiências adversas na infância” podem ser associadas a um alto risco, mais tarde, de sofrer de doenças como hipertensão, obesidade, além de condições crônicas associadas a pessoas idosas, como doenças cardiovasculares.

2b9b72303a195511df58deb3249f170b_L

Exercícios Nota 10

Crianças que se exercitam mais, seja no intervalo entre as aulas, no caminho para a escola ou em aulas de educação física, tendem a apresentar melhor desempenho escolar, segundo uma pesquisa publicada na revista “Archives of Pediatric & Adolescent Medicine”, dos Estados Unidos. O estudo, feito por pesquisadores da Universidade Vrije, de Amsterdam, analisou 14 pesquisas realizadas nos EUA, no Canadá e na África do Sul que compararam a atividade física dos estudantes com seus desempenhos em provas de matemática, linguagem, raciocínio lógico e memória.

kids-playing1