Saúde do homem

O Novembro Azul é referência na missão de orientar a população masculina a cuidar melhor da saúde. É o mês da campanha de combate ao câncer de Próstata do Brasil. Vamos entender um pouco mais sobre esse assunto?

Afinal, o que é a PRÓSTATA?

É a glândula sexual masculina, situada em torno da porção inicial da uretra, muito pequena, em forma de maçã, que, junto com as vesículas seminais, produz o líquido espermático.

Principais alterações encontradas:

→ Hiperplasia Prostática Benigna (HPB) : condição em que há aumento da glândula prostática em que pode pressionar a uretra com dificuldade de passar a urina. Não se trata de um tipo de câncer e não aumenta o risco de que o paciente desenvolver.

→ Prostatite (infecção ou inflamação): condição que pode afetar o homem a qualquer idade, mas é mais comum em pessoas com a idade entre 30 e 50 anos. Ela pode ser causada por uma infecção ou uma inflamação da glândula da próstata.

→ Câncer de Próstata: é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Mais do que qualquer outro tipo, é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos.

Importante salientar que os sintomas originados pelos problemas de próstata são semelhantes e incluem:

  • Jato de urina muito fraco ou reduzido;
  • Necessidade frequente de urinar, especialmente à noite;
  • A sensação de que sua bexiga não se esvaziou completamente e ainda persiste a vontade de urinar;
  • Dificuldade de iniciar a passagem da urina;
  • Dificuldade de interromper o ato de urinar;
  • Urinar em gotas ou jatos sucessivos;
  • Necessidade de fazer força para manter o jato de urina;
  • Necessidade premente de correr ao banheiro – pode, inclusive, ocorrer que a urina vaze antes que chegue lá;
  • Sensação de dor na parte baixa das costas ou na pélvis;
  • Problemas em conseguir ou manter a ereção;
  • Sangue na urina ou no esperma (esses são casos muito raros).

Fatores de risco do Câncer de Próstata:

  • Idade (cerca de 62% dos casos são de homens a partir dos 65 anos);
  • Histórico familiar;
  • Raça (maior incidência entre os negros);
  • Alimentação inadequada, à base de gordura animal e deficiente em frutas, verduras, legumes e grãos;
  • Sedentarismo;
  • Obesidade: de acordo com o INCA (Instituto Nacional de Câncer), a obesidade está influenciando principalmente na incidência de câncer de próstata, mama e colorretal. Em homens obesos, o câncer de próstata é mais agressivo.

O seu diagnóstico precoce é essencial para o tratamento curativo. O aumento observado nas taxas de incidência no Brasil pode ser parcialmente justificado pela evolução dos métodos diagnósticos (exames), pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e pelo aumento na expectativa de vida.

 

Fonte: Associação pela Saúde da Próstata e INCA

 

 

 

 

Novembro azul: prevenir é sempre a melhor atitude

O câncer de próstata é o mais comum entre os homens, porém, a detecção precoce é fundamental para o tratamento, tendo em vista que 90% são curáveis em sua fase inicial. Para esta identificação é necessário que homens realizem exames de rotina com esta finalidade.

Orientações do Kurotel de como se preparar para conversar com o seu médico:

→ Faça seu exame regularmente após os 45 anos (com casos na família) e 50 anos (sem casos na família).
→ Escreva todos os sintomas que está sentindo.
→ Caso não apresente sintomas, mas atingiu a faixa de idade, faça o exame.
→ Apresente uma lista das medicações que utiliza, incluindo vitaminas ou suplementos alimentares.
→ Fale sobre hábitos alimentares e rotinas.
→ Avise o médico se houver histórico familiar de câncer de próstata.

Prevenir é sempre a melhor atitude!

Nutrição no câncer de mama

Texto adaptado do site INFOMAMA

Já é bem estabelecido que avaliação prévia e acompanhamento nutricional em qualquer modalidade de tratamento para o câncer pode prevenir desordens nutricionais, melhorar o status nutricional, auxiliar na resposta cirúrgica e na cicatrização, bem como trazer benefícios ao tratamento antineoplásico por atender aos cuidados de minimizar alguns efeitos adversos das medicações.

Como a nutrição pode auxiliar no tratamento do paciente com câncer:

  • Melhorando as alterações do intestino, principalmente a constipação intestinal;
  • Evitando o surgimento de aftas (mucosite), que dificultam a ingestão alimentar;
  • Evitando flutuações de peso.
  • Manejando náuseas e alterações de paladar.

Conforme o site do Instituto Nacional do Câncer (INCA), “não podemos atribuir a nenhum alimento específico o poder de curar; a alimentação saudável e equilibrada é o melhor suporte de prevenção e de tratamento”. Uma alimentação colorida e variada, mantém o organismo mais sadio para enfrentar o tratamento, oferece qualidade de vida e ainda pode prevenir e amenizar alguns sintomas.

Algumas orientações que podem auxiliar:

– Dispor de uma variedade de frutas em 3, 4 ou 5 porções ao dia e variando as cores, pela oferta de vitaminas. As mais cítricas podem causar aftas no período do tratamento, então sugere-se evitá-las nos primeiros 7 dias do tratamento quimioterápico.

– Farináceos como pão com grãos, sementes, arroz e massa integrais, entre outros, devem ser mantidos na dieta, pois, além do alto teor de fibras que melhora o funcionamento intestinal, controla o peso e tem uma oferta maior de minerais.

– Laticínios magros – não necessariamente os desnatados, mas com menor teor de gordura – podem estar incluídos na dieta.

– Higienizar bem frutas e verduras: utilizar 1 colher de água sanitária em 1 litro de água, deixar de molho por 15 minutos e depois lavar bem.

– Verduras e legumes em abundância de forma in natura, refogado ou cozido. Uma porção de crucíferas ao dia se torna favorável, como: brócolis, couve flor, couve, pimentão, repolho entre outros, pelo poder antioxidante.

– Dar preferência aos orgânicos é definidamente um bom cuidado para uma alimentação saudável.

– Ingerir água (2 litros por dia) é essencial para a hidratação do corpo e para regular o intestino.

– Evitar açúcar e doces na dieta, pois, além de serem calorias vazias, podem aumentar as náuseas; deve-se priorizar um ou dois dias na semana para os excessos.

– As gorduras em excesso devem ser evitadas, pois além de contribuir para elevar níveis de colesterol e triglicerídeos, podem potencializar as náuseas durante o tratamento.

– As carnes, aves e peixes devem completar a dieta, preferencialmente magras, cozidas, assadas, grelhadas ou refogadas.

– Evitar alimentos processados demais, embutidos, excesso de corantes, refrigerantes, suco industrializados e sal em excesso.

– Acrescentar oleaginosas como: nozes, castanhas, amêndoas – 4 unidades ao dia promovem efeitos benéficos de saúde, além da melhora do humor e da fadiga.

Lembre-se de se permitir fugir da regra (às vezes e com moderação), sem culpa, pois também trará benefícios a saúde mental.

Ariane Paiva Vieira
Nutricionista
Porto Alegre, RS