Atividade física para mães

 

O nascimento de um filho é um dos momentos mais significativos na vida de uma mãe. Sabendo disto, realizar atividades físicas em conjunto com o bebê é uma maneira de auxiliar o retorno da forma física, estreitando ainda mais os vínculos afetivos já existentes. Abaixo seguem algumas opções de exercícios com esta finalidade, porém eles devem ser realizados com a supervisão de um profissional habilitado para esta atividade, preservando a segurança do bebê e o correto movimento das mães.

Aquecimento: Caminhar com bebê no carrinho ou no colo (alternando o braço que está segurando o bebê). Procure um local agradável e seguro para caminhar com o bebê, porque a exposição a novas pessoas, sons e visões são muito estimulantes e pode acabar deixando o bebê agitado.

Musculatura de braços e ombros – Em pé, segure o bebê pelas axilas com as duas mãos, mantendo os cotovelos próximos ao corpo. Estenda os braços para cima elevando o bebê. Volte à posição inicial.

Musculatura abdominal – Deitada de costas, coloque o bebê em um colchonete ao seu lado. Posicione uma das mãos apoiadas atrás da cabeça e a outra estendida lateralmente. Uma perna flexionada e a outra estendida. Eleve o cotovelo em direção ao joelho contrário, subindo o tronco.

Flexão e Extensão de quadril – Deitada de lado, com a cabeça apoiada sobre o cotovelo. Deite o bebê de lado, também apoiado sobre o seu braço. Estenda a perna e volte, levando o joelho na direção do abdômen.

Musculatura peitoral e braço – Deitada de costas, segurando o bebê pelas axilas, estenda os braços elevando o bebê para cima.

Adutor e Abdutor de coxa – Coloque seu bebê sobre o abdômen, segure-o pelas mãos. Afaste e una as pernas.

Musculatura glútea, abdominal e fortalecimento de tronco – Coloque seu bebê sobre o abdômen, segure-o pelas mãos. Deixe as pernas flexionadas, eleve o quadril e volte controlando o movimento.

Musculatura abdominal – Coloque seu bebê sobre o abdômen, segure-o pelas mãos. Deixe as pernas flexionadas e eleve o tronco em direção do bebê.

Musculatura abdominal, Flexão e Extensão de quadril – Deite-se de costas, com as pernas flexionadas e elevadas. Coloque o bebê sobre suas pernas e segure-o pelas mãos. Mexa as pernas para frente e para trás.

Dr. Luis Felipe Martins – Diretor Médico do Kurotel

 

Dia 26 de abril – Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial.

Hoje é o “Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial”, data muito importante em termos de saúde para toda a sociedade.

A Pressão Arterial é a força causada pela contração do coração e das paredes das artérias para impulsionar o sangue por todo o corpo, a fim de fornecer oxigênio e nutrientes para o funcionamento do organismo. A Hipertensão Arterial acontece quando a nossa pressão está acima do limite considerado normal, que, na média, é máxima em 120 e mínima em 80 milímetros de mercúrio, ou simplesmente 12 por 8. Valores inferiores a 14 por 9 podem ser considerados normais a critério médico. Estes valores são obtidos através de aparelhos como o tensiômetro ou esfigmomanômetro e podem ter uma variação relativamente grande sem sair dos níveis de normalidade. Para algumas pessoas ter uma pressão abaixo de 12 por 8, como, 10 por 6, é normal. Já valores iguais ou superiores a 14 (máxima) por 9 (mínima) são considerados como hipertensão para todos.

Pessoas com familiares hipertensos, ou ainda, as que consomem muito sódio (sal), acima do peso, que tenham elevado consumo de álcool, pessoas diabéticas e as que não possuem hábitos alimentares saudáveis, têm maior risco de desenvolver a hipertensão. A doença atinge mais mulheres do que homens, chegando a mais de 50% na terceira idade e a 5% em crianças e adolescentes.

Sabe-se que cerca de 300 mil brasileiros morrem anualmente devido a hipertensão. São 820 mortes por dia, 30 por hora, 1 a cada 2 minuto. Doenças cardiovasculares, matam duas vezes mais do que o câncer, três vezes mais do que acidentes, seis vezes mais do que infecções, incluindo a aids.

As causas são diversas e multifatoriais como sobrepeso e obesidade, hereditariedade e histórico familiar, má alimentação, maus hábitos como tabagismo e excesso de ingestão de álcool, excesso de sódio, além de algumas particularidades como a Síndrome da Apneia do Sono (despertares noturnos, ronco e sonolência durante o dia). A má adesão ao tratamento também se destaca como um problema, pois cerca de 80% dos hipertensos não tomam a medicação corretamente, o que reduz a expectativa de vida em até 16 anos.

A pressão alta é um mal silencioso. A ausência de sintomas atrapalha o diagnóstico e ele, muitas vezes, só é feito quando há complicações mais sérias. A melhor maneira de descobrir se é hipertenso é verificando a pressão com regularidade de, no mínimo, uma vez por ano e a adoção de hábitos saudáveis podem evitar que a doença venha a se instalar.

 

Dr. Renato Kalil F. Uehbe  – Médico do Exercício e do Esporte do Kurotel

Um novo olhar para o câncer

8 de abril – Dia mundial de combate ao Câncer

Câncer, uma palavra que traz consigo muitos significados, alguns ligados ao medo, à incerteza e à morte. Uma palavra que alguns ainda evitam pronunciar, como se isso fosse um agouro. E é até compreensível. Não faz muito tempo, um diagnóstico da doença era quase uma sentença de morte. Ainda bem que tudo evolui e o cenário tem mudanças promissoras. O câncer cada vez mais é compreendido pela medicina e pelas pessoas em geral. Quanto mais avanços e informação, mais a doença estará controlada e terá tratamentos humanizados e de sucesso. E a palavra-chave do momento é a prevenção. É com esse olhar e foco que a doença vem deixando de ser uma sombra na vida de milhões de pessoas pelo mundo.

O Fundo Mundial para Pesquisas de Câncer é taxativo. A prevenção é o melhor caminho para se evitar a doença. Prevenção significa mudanças de hábitos de vida, como largar o cigarro, deixar o sedentarismo de lado e descartar alimentação pouco ou nada saudável. A prevenção é um carro-chefe e esse caminho deve ser seguido não só por quem ainda não teve o diagnóstico (prevenção primária). Ele é fundamental para aquelas pessoas em tratamento (prevenção secundária) ou para aquelas que já passaram pelo câncer (prevenção terciária). A vida vai muito mais longe com a prevenção cotidiana. Em qualquer situação.

​Todos os dias, células cancerígenas nascem no organismo de todas as pessoas do planeta. Mas apenas um quarto delas desenvolverá o câncer. Durante muito tempo, acreditou-se que o câncer era, sobretudo, uma questão de genética – e um mal inevitável para quem está propenso a ele. O número crescente de casos da doença mostra que a influência dos fatores externos, como os hábitos de vida e o ambiente, é mais impactante na manifestação do câncer do que os genes. A hereditariedade tem influência, mas limita-se a apenas 5% a 10% dos casos. “Sob esta ótica, ter câncer em algum momento da vida não deve ser considerada uma simples questão de sorte. Somos também agentes no processo de aumentar ou não nossa vulnerabilidade para desenvolver a doença. Temos parcela importante de contribuição para a prevenção”, explica Dr. Luis Carlos Silveira.

Jornalista Ivan Vieira e Dr. Luís Carlos Silveira Médico fundador do Kurotel

7 de abril – Dia Mundial da Saúde

Você está cuidando do seu maior patrimônio, que é a sua saúde?

Essa é uma boa reflexão para essa data, pois ter saúde é estar com o corpo físico e mental funcionando de maneira adequada. Será que estamos nos dando conta do presente?

É importante sentir a simplicidade da vida, os sorrisos, os abraços, os traços da natureza… Ao acordar acelerado freneticamente, sem a percepção do essencial, atrás de coisas que, muitas vezes, não tem sentido algum, ocorrem prejuízos à saúde.

Na experiência profissional, percebo pessoas dando muita importância para o externo e pouco para o interno, fazendo uma analogia para deixar claro, cuidam muito da lataria do carro e se esquecem do motor. O ser humano é integrado, necessitamos estar bem internamente e externamente. Muito bom cuidar da aparência, mas temos que cuidar do emocional, do físico e por último o externo que vai refletir o interno.

Por isso, faça um check-up com regularidade, estabeleça metas de saúde com o seu médico, analise o que está bom em você e busque estratégias para gerenciar os aspectos que não estão bons, utilize os conhecimentos científicos da psicologia, da nutrição, da educação física, da fisioterapia, para auxiliar naquilo que seja necessário do âmbito físico e mental. E, siga com simplicidade a sua vida pois, dessa forma os resultados para a sua saúde serão complexos.

Por isso, sorria, exercite-se, relaxe, alimente-se bem, converse, trabalhe, estude, ame, cultive as amizades e a sua família, organize o seu tempo!

Psicólogo do Kurotel Michael Zanchet

6 de abril – Dia Nacional de Mobilização pela Promoção da Saúde e Qualidade de Vida.

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não consiste apenas na ausência de doença ou de enfermidade. Amplamente reconhecida como o maior e o melhor recurso para os desenvolvimentos social, econômico e pessoal, assim como uma das mais importantes dimensões da qualidade de vida. Encontra-se em pé de igualdade com outros direitos garantidos pela Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948: liberdade, alimentação, educação, segurança, nacionalidade, etc.

Qualidade de vida é considerada como a percepção do indivíduo de sua posição na vida, no contexto da cultura e sistema de valores nos quais vive e em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações. Saúde e qualidade de vida são dois temas estreitamente relacionados, fato que podemos reconhecer no nosso cotidiano. Existem evidências científicas abundantes que mostram a contribuição da saúde para a qualidade de vida de indivíduos ou populações.

A 1ª Conferência Internacional de Promoção da Saúde, realizada em Ottawa no Canadá, em 1986, foi um marco de referência para a evolução de promoção da saúde. O documento “Carta de Ottawa”, elaborado nesta conferência, caracteriza a promoção da saúde eficaz como aquela que conduz a mudanças nos determinantes da saúde. Tais determinantes incluem tanto aqueles que estão sob o controle das pessoas (condutas individuais, estilos de vida, utilização dos serviços de saúde), como os que estão fora de seu controle (condições sociais, econômicas e ambientais, assim como a prestação de serviços). Tais estratégias convergem para ações profissionais a serem reorientadas visando tornar os indivíduos e populações mais autônomos em seus processos de saúde-doença, com vistas à melhor qualidade de vida.

O Kurotel promove e estimula as pessoas a comprometerem-se com um estilo de vida mais saudável, valorizando a vida nos sentidos quantitativos (longevidade) e qualitativos (vitalidade e bem-estar). Entende que a educação em saúde e promoção da saúde caminham juntas, gerando possibilidades para que o cliente gerencie informações, se conscientize e tome providências tendo em vista sua qualidade de vida. A saúde compreendida no sentido bio-psico-social.

Dra. Gislaine Bonardi – Médica Geriatra do Kurotel

Dia da Saúde e Nutrição

O dia 31 de março é a data oficial que o Ministério da Saúde escolheu trazer em evidência a importância dos conceitos da Nutrição para a nossa saúde. Nesse dia, instituições públicas e particulares promovem ações visando maior reflexão sobre as boas escolhas alimentares e o valor dos nutrientes. Este é um tema diariamente abordado em conversas corriqueiras com amigos e familiares, em capas de revista com “dietas da moda” e programas de TV que falam de alimentação e culinária.

Porém, como uma instituição que promove saúde, bem-estar e longevidade, a nossa contribuição é disseminar informações de qualidade e proporcionar acompanhamento nutricional e médico quando saúde e alimentação forem os assuntos em evidência. Acreditamos no valor do mindfullness, ou seja, ter atenção plena durante a alimentação, preferir comida de verdade e sempre que possível feita em casa, utilizando o mínimo de alimentos processados. É relevante também combatermos os comportamentos extremos, como terrorismo nutricional, tema comum hoje e que leva muitas pessoas a distúrbios alimentares chamados de ortorexia (obsessão por comer saudável) ou hipermedicalização do alimento que é quando deixamos de ter prazer no alimento e passamos a comer somente pelos efeitos específicos daquela comida que pode ser termogênica, desintoxicante ou para emagrecer e ganhar massa.

Pregamos a alimentação consciente, logo é fundamental separar o momento da refeição e fazê-la com calma, mastigar devagar e saborear o alimento. Tentar usar todos os sentidos e investir um tempo de qualidade, inclusive com as pessoas ao seu redor. Evite usar celular ou TV durante o almoço ou jantar, permitindo que toda a atenção esteja também ligada às sensações que o corpo transmite, diferenciando fome de vontade de comer.

Por isso, ter equilíbrio e bom senso é fundamental para uma boa dieta, mas sem extremos, paranoia com rótulos, sensação de culpa e contagem estrita de calorias. Lembre-se: boas escolhas e bons nutrientes são mais importantes do que calorias.

“Que seu remédio seja seu alimento e que seu alimento seja seu remédio”. Hipócrates

22 de março – Dia Mundial da Água

A água é um recurso natural indispensável à vida no planeta Terra. Possui um enorme valor econômico, ambiental e social, fundamental à sobrevivência do Homem e dos ecossistemas no nosso planeta. A maior parte do organismo humano é formada por água, 75% dos músculos é água, por exemplo. Segundo o Instituto Europeu de Hidratação (EHI), a água é o solvente que permite muitas das reações químicas vitais do organismo, ajudando a manter as funções corporais.

Inúmeros são os benefícios da água, como auxiliar no funcionamento ótimo de rins, cérebro, intestino, auxiliar no transporte de nutrientes, melhorar a saúde da pele e articulações, aumentar a saciedade, favorecer o controle da temperatura corporal, aumentar a absorção de vitamina C e vitaminas do Complexo B, prevenir cãibras, controlar a pressão arterial, aumentar o estado de alerta, prevenir fadiga, aumentar produtividade no trabalho, dificultar a formação de cálculos renais, reduzir risco de infartos e derrame cerebral, dentre outros.

A quantidade de água adequada para uma pessoa beber por dia depende de alguns fatores. Não existe um número mágico de litros que seja adequado para toda a população. Primeiramente vamos entender como perdemos água no dia a dia, basicamente nosso organismo perde água de 4 formas diferentes:

1 – Volume de urina – cerca de 1 a 2 litros por dia.

2 – Suor e evaporação de água pela pele – cerca de 300-500 ml por dia.

3 – Evaporação de água pela respiração – cerca de 200-400 ml por dia

4 – Perdas de água nas fezes – cerca de 100 a 200 ml de água por dia.

Isso significa que nosso organismo perde diariamente cerca de 1,5 a 3 litros de água por dia, por isso sempre ouvimos que o ideal seja ingerir cerca de 2L de água por dia. Porém, essas perdas podem sofrer variações de indivíduo para indivíduo, além de clima, altitude e exercícios que também podem influenciar nessa matemática.

Enfim, não espere ter sede para beber água, não beba água em excesso, esteja sempre com frascos de água (squeezes) próximos a você, tome 1 a 2 copos de água em jejum e espere cerca de 30 minutos até o desjejum, evite beber água próximo ao horário de dormir para evitar interrupções do sono para urinar durante a madrugada. Se for para pensar em um número, beba pelo menos 2,5 litros por dia.  Lembrando que isto é apenas um dos fatores que farão com que você tenha melhor saúde e mais vida.

Dr. Renato Kalil – Médico do Esporte do Kurotel

08 de março – Dia Mundial do Rim

A doença renal crônica chega a atingir 10% da população mundial. Até recentemente, pouco se comentava, por exemplo, da relação entre doença renal e obesidade.

Entretanto, a maioria desses casos é proveniente de desordens metabólicas que, muitas vezes, poderiam ter sido evitadas com medidas saudáveis que incluem alimentação balanceada e a prática da atividade física.

A Sociedade Brasileira de Nefrologia está fazendo esforços para promover o ESTILO DE VIDA SAUDÁVEL PARA RINS SAUDÁVEIS, através de congressos científicos e campanhas comunitárias.

O Kurotel, que prescreve todas essas medidas há 35 anos, apoia e valoriza esta campanha, desejando contribuir com a disseminação de informação sobre saúde renal. Especialmente, a combinação desses fatores é não somente importante para se evitar doenças renais, mas especialmente para se manter adequada a função renal por mais tempo.

Dra. Mariela Silveira – Diretora Médica do Kurotel

 

É preciso acreditar na vida

Como será o futuro da medicina e espiritualidade?

Este é um tema extremamente instigante e, ao mesmo tempo, cheio de preconceitos a favor ou contra a espiritualidade. A maior parte das pessoas tem ideias formadas sobre o assunto, normalmente iniciadas desde o berço e construídas ao longo do tempo, baseado nas informações disponíveis daquele contexto cultural. Debatendo a questão da espiritualidade e sua influência na saúde e longevidade, percebi que não é difícil se entrar na dicotomia do ceticismo intolerante ou da aceitação ligeira. Como diz Almeida Moreira na Revista de Psiquiatria Clínica da USP, não importa se possuímos crenças materialistas ou espirituais, atitudes religiosas ou antirreligiosas; necessitamos explorar a relação entre espiritualidade e saúde para aprimorar nosso conhecimento sobre o ser humano e nossas abordagens terapêuticas.

Agora, imaginemos um futuro pouco distante. Em um mundo onde as pessoas viverão 120 a 150 anos, a ética será uma prática ainda mais necessária para a sobrevivência da espécie. Se tudo der certo, chegaremos a ser todos velhinhos. Os mesmos recursos do mundo estarão disponíveis para pessoas que viverão mais. Haverá uma revisão da sociedade em relação às definições de hierarquia, aposentadoria, tempo de vida laboral, metas de saúde entre outros. Será preciso encontrar a harmonia como valor fundamental. Se considerarmos que o conceito de espiritualidade envolve não somente a dimensão vertical (relacionado à crença de um poder divino), como também a horizontal (relacionado ao relacionamento humano baseado na compaixão), ela passará a ter maior espaço e importância. Da mesma forma, para que as divergências entre as posições religiosas não adoeçam as pessoas, as religiões abraçarão mais a ética do que a moral.

Será atribuição (também) do médico compreender o ser humano de forma ainda mais ampla e verdadeira. Quem sabe, as ciências médicas venham a incluir na anamnese de todos os seus pacientes: “o senhor tem fé em algo?” e  “de que forma está em contato com ela?”. Uma vez que haja relevância para o paciente, na prescrição, além das outras terapêuticas convencionais, estará: “Passar 20 minutos por dia conectado a sua fé”. Ou ainda, os famosos “se necessários” que dentro da medicina sempre estão atrelados ao uso de medicação, possa ser um pouco diferente como “se necessário, quando sua pressão arterial elevar, antes de tomar a medicação, faça sua oração e então verifique novamente sua pressão arterial.” Talvez, de acordo com a evolução dos trabalhos que hoje modestamente apontam, poderá haver a recomendação formal por parte da equipe médica para que se ore por um determinado paciente. Enfim, o universo a ser explorado é grande.

 

Respeitar as crenças de uma pessoa pode representar o maior tipo de respeito de que um ser humano pode ter pelo outro. Respeitar as não crenças também. Pode representar a maximização da saúde emocional e minimização de conflitos no mundo. Tenho fé que o futuro assim será.

04 de março – Dia Mundial da Oração

Dra. Mariela Silveira – Médica Diretora do Kurotel