Viva as Emoções

O corpo é a integração do físico e do mental. As emoções servem de combustível para a vida, deve-se viver as emoções e não: comer, beber ou fumar as emoções.

Por isso, quando vem a tristeza ou a alegria ou a ansiedade, busque viver a emoção para compreender o que lhe está deixando triste, o que está gerando a ansiedade. Faça coisas que auxiliem nesse processo: pinte, escreva, converse com alguém, medite, caminhe ao ar livre, pratique yoga.

O relaxamento é fundamental nesse processo de equilíbrio emocional, uma vez que as práticas de relaxamento equilibram o corpo físico e esvaziam a mente, dando maior capacidade de tomada de decisão.

Concluindo, quanto mais equilibrado estiver o seu estilo de vida, maior equilíbrio físico e emocional será proporcionado ao seu corpo.

Recomenda-se:

– Pelo menos três horas de exercícios físicos por semana, com orientação do Educador Físico;

– Organizar um momento no dia para relaxar (banhos de banheira de hidromassagem, yoga, meditação (mindfulness), exercícios de respiração diafragmática, massagem relaxante);

– Fracionar a alimentação e uma dieta saudável com orientação da Nutricionista;

– Viver as emoções.

Michael ZanchetPsicólogo do Kurotel
CRP: 07/13384

Meditação

            A meditação é um exercício de atenção focada. Sua prática regular desenvolve a capacidade de atenção no que está sendo experimentado no momento presente e livre de julgamentos. Um dos principais objetivos da meditação é sentir mais paz, amor e felicidade na vida no momento presente.

Temos uma tendência de remoer o passado, nos culparmos pelas falhas e nos apegarmos ao que foi vivido. Além de nos impedir de viver plenamente o que o momento presente oferece, esse apego é inútil para resolver qualquer problema. Devemos aprender com o passado, acumular sabedoria com o que foi vivido e, assim, viver melhor. O mesmo acontece em relação ao futuro: não adianta nos preocuparmos com ele, pois a preocupação não muda o curso do que irá acontecer. Planejar o futuro é muito importante, mas preocupar-se com ele é perda de tempo.

            Um pequeno exemplo, mas que pode ser usado para várias situações: se ao tomar uma xícara de chá você estiver pensando no passado ou preocupado com o futuro, deixará de sentir os prazeres do calor que emana da xícara, do perfume do líquido, do seu sabor… Perde o prazer do presente – e é nele que a vida realmente acontece.

            A meditação na atenção plena (mindfulness) é consciência, cultivada através de um foco de atenção prolongado e específico voltado ao momento presente e livre de julgamentos. Como prática, a meditação proporciona inúmeras oportunidades de criar uma intimidade maior com a própria mente e, assim, fazer com que entremos em contato com nossos recursos interiores e desenvolvê-los. Você se torna capaz de aprender, crescer, curar-se, e transformar sua compreensão de quem é e de como viver com mais sabedoria.

Rosimeri Schneider
Instrutora de Yoga e Meditação

Viva o Presente

O mundo contemporâneo é pautado pelo automático, impondo agilidade, automatização de ideias, rapidez nas informações, requerendo respostas imediatas, onde o passado e o futuro se confundem e o presente desaparece.

A ansiedade tem a ver com isso, antecipar o futuro, fazer as coisas com rapidez, sem reflexão, agir pelos instintos primitivos da impulsividade, medo de errar, pautada pela insegurança, das idealizações, que trazem consequências físicas e emocionais.

Primeiro, que perfeição não existe, o erro faz parte do aprendizado, a reflexão sempre pauta a melhor decisão; e a dose certa de ansiedade nos impulsiona para a vida, para efetivarmos nossos objetivos, então o nível adequado nos traz benefícios.

Os dois últimos parágrafos são maneiras diferentes de ver a mesma questão, por uma ótica negativa ou positiva.

Viver armado nos leva a ansiedade, saber o momento de relaxar, desligar, viver o presente leva a ter maior lucidez nas percepções; assim quando necessitamos acionar o corpo para as nossas atividades, temos energia adequada, não fazendo esforço maior do que o necessário, assim não desequilibro o meu organismo.

O nosso corpo é uma máquina perfeita, mas tem um grande comandante o cérebro que aciona os comportamentos e esses determinam o bom ou mal funcionamento dessa máquina.

Para fazer esse equilíbrio é necessário: exercitar-se, alimentar-se, relaxar, dormir, relacionar-se, estudar, amar e ser amado, ou seja, viver o presente e cada etapa de vida.

Concluindo, o passado tem duas funções: lembrar das coisas boas e aprender com aquelas que não foram tão boas, o futuro depende de hoje; por isso como já disse viva o presente, fazendo uma coisa de cada vez.

Michael Zanchet
Psicólogo – CRP: 07/13384