Sentido para a existência

Por Kátia Stringueto da Revista Bons Fluidos e Luís Carlos Silveira fundador do Kurotel

 

Parte do plano de longevidade consiste em elaborar um projeto estratégico de vida. É comum encontrarmos executivos, dirigentes, políticos, pessoas famosas, de modo geral, que obtiveram grande êxito e inspiram admiração pelos empreendimentos que realizam, mas que, quando olhadas de perto, estão desestruturadas, descompassadas, apresentando evidentes desequilíbrios entre suas idades cronológica e biológica, com sérios transtornos afetivos. É claro que uma pessoa que se esconde de si mesma, que mascara seus desejos, certamente terá muitas frustrações e decepções. E isso impactará seu estilo de vida, porque, conscientemente ou não, ela tentará compensar esse dé­ficit de satisfação com um desregramento crônico, inclusive na alimentação, ou com um engessamento moral. A falta de horizontes é uma característica de indivíduos assim. Por isso, é tão importante construir um plano estratégico, uma visão de futuro.

Pense como você estará daqui a cinco anos. Como estará no futuro em relação aos seus netos, aos familiares, que desejos tentará realizar. Não é uma tarefa fácil provocar reflexões nesse sentido, fazendo com que a pessoa consiga se enxergar, em sua contribuição para com os outros, além dos aspectos materiais. (…)

Você pede que essa pessoa pense, reflita sobre os próximos cinco, dez anos de sua vida, e ela simplesmente não tem essa imagem, não tem essa perspectiva. É comum ouvirmos: “Como pensar daqui a cinco, dez anos? Eu tenho coisas para resolver hoje, agora, não posso parar para pensar no futuro, não tenho tempo para isso”. Isso é máquina, esse procedimento faz parte de uma engrenagem, tudo está rodando junto, a vida da pessoa é apenas um lubrificante para que essa engrenagem não pare. Não há tempo para viver a vida.

Essa pessoa não tem visão de longo nem de médio alcance. Ela nunca pensou nessa hipótese, até porque isso vai lhe gerar apreensões, pois exigirá a tomada de algumas posições na vida que ela não quer ou para as quais não está preparada. Ou mais: há casos em que o sujeito é corajoso para vencer, tomar posições arrojadas em negócios, mas comporta-se como alguém intimidado diante de si mesmo, pois tem medo de correr riscos em âmbito emocional, afetivo ou pessoal. O envolvimento árduo com o trabalho passa a ser uma espécie de terapia ocupacional: o sujeito se ocupa no dia a dia para não ter de pensar no amanhã ou não olhar verdadeiramente o dia de hoje. Uma das novas abordagens psicológicas feitas quando falamos em longevidade centra-se na inversão de uma pergunta que costumávamos fazer às crianças: “O que você quer ser quando crescer?”. Na longevidade, o princípio condutor é o mesmo: “O que você quer ser quando envelhecer?”. É uma pergunta honesta, pois a resposta se encontra em algumas escolhas que fazemos na vida. É uma pergunta que tem de ser feita, sobretudo porque o que até então era um “risco”, o de viver mais, muito mais até, está se tornando a cada dia uma certeza, uma expectativa muito concreta de acontecer. E, como vimos anteriormente, “viver mais” por si só não dá conta do que definimos como “viver bem”. Portanto, temos de começar a fazer essa pergunta aos 50, aos 60, aos 70 anos: “Como queremos estar daqui a trinta anos?”, no lugar de pensar em “Como vamos estar daqui a 30 anos?”.

A ideia dessa pergunta é estimular as pessoas a ter sonhos. Os sonhos são cestas de energia: é onde temos de colocar nosso empenho, nossa dedicação, a capacidade de realizarmos coisas. Às vezes a pessoa investiu energia por muitos anos numa empresa, num tipo de raciocínio, e se acanha diante da perspectiva de mudar. (…) Você pode ser médico hoje e amanhã querer ser arquiteto, compositor, geólogo, o que quiser, ao mesmo tempo. É possível, claro. O que se precisa saber é quanto disso cabe em sua vida, quanto disso se conecta com sua energia interior, aquela que pode movimentar suas ações para realizar seu desejo.

O momento não é apenas propício como enseja a mudança. É preciso valorizar a riqueza do conhecimento adquirido. Nossos antepassados, quando chegavam aos 50, 60 anos, costumavam dizer ou pensar: “Como seria diferente minha vida se, com a experiência e o conhecimento que tenho hoje, tivesse de volta minha juventude”. Fazia, naquele momento, algum sentido esse lamento. Contudo, hoje isso não se justi­fica. A pessoa chega aos 50 ou aos 60 anos e tem pela frente uma estrada enorme por caminhar.

 

 

Publicado por

kurotelb

Fundado em 1982 por Luís Carlos Silveira, e sua esposa, Neusa Silveira, o Kurotel - Centro Médico de Longevidade e Spa, está localizado em meio às belezas da Serra gaúcha, na cidade de Gramado. É reconhecido por promover e estimular as pessoas a se comprometerem com um estilo de vida mais saudável, motivando escolhas positivas. Valorizando a vida nos sentidos quantitativo (longevidade) e qualitativo (vitalidade e bem-estar).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *