Memória, uma joia cada vez mais valorizada

Para o ser humano, o significado de memória traz uma aproximação muito grande ao de “identidade”. Isto porque, ela fornece dados importantes sobre a vida de uma pessoa, tanto no presente quanto no passado. “Lembrar-se de fatos como uma viagem inesquecível, o nascimento de um filho, a vitória do time e o número do RG, refere-se a dados da memória. Entretanto, muitas vezes, o valor só é dado quando começam a surgir falhas”. A explicação é de Michael Zanchet, psicólogo do Kurotel.

Para Iván Antônio Izquierdo, médico e neurocientista, especialista nos mecanismos da memória com reconhecimento internacional, houve muitíssimos avanços nos últimos 20 anos nos estudos do tema. “Em primeiro lugar, começamos a entender melhor não só que as estruturas cerebrais participam do processamento da memória, mas também o mecanismo bioquímico do processamento em algumas dessas estruturas”.  “Acostumamo-nos com o fato de que ocorre neurogênese (nascimento de novos neurônios) ao longo da vida, e que isso nada tem a ver com a formação nem a manutenção de memórias.”

Para o pesquisador, os melhores cuidados preventivos com a memória estão na manutenção de uma dieta equilibrada, ter horas de sono suficientes e usar e praticar reiteradamente o armazenamento de informações. “A atividade cognitiva que mais utiliza a memória e mais a exercita é a leitura”, sinaliza. Segundo Rochele Paz da Fonseca, neuropsicóloga, doutora em Psicologia do Desenvolvimento e também uma das responsáveis pela implantação do Programa Memória do Kurotel, o melhor caminho para estimulá-la é desenvolver habilidades de metacognição, mais especificamente de autoconhecimento das estratégias para armazenar novas informações e deixar rastros de pistas para recordá-las quando forem necessárias.

Para tanto, estratégias devem ser exploradas por cada pessoa até que se descubram quais são as mais facilitadoras. Por exemplo, técnicas de associação para novos nomes com pessoas já bem familiares com nomes ou faces parecidas, agrupamento por semelhança, entre outras.

Nunca é tarde e sempre haverá esperança. A neuroplasticidade e a reserva cerebral-cognitiva são conceitos muito relacionados entre si e com a possibilidade de criação de novas conexões cerebrais/neuronais até o último dia de vida. “Quanto mais nos estimulamos com atividades desafiadoras, tais como leitura e escrita complexas frequentes, análise crítica e reconto de filmes, episódios de seriados e de livros, jogos de planejamento estratégico e a própria atividade de trabalho, associadas a atividades esportivas, e de lazer com condições de saúde controladas, maior será nossa reserva cognitiva (conexões extras que podem compensar aquelas usuais mais fadigadas ou sobrecarregadas). Há exercícios neuropsicológicos (reabilitação neuropsicológica e treinamento cognitivo) que podem estimular as memórias, otimizando essa reserva cognitiva e a neuroplasticidade.”

O cérebro ao longo dos anos

Emílio Moriguchi, médico geriatra e professor do Departamento de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), enfatiza: “Não há fórmulas mágicas para envelhecimento saudável com qualidade ou o chamado “envelhecimento com sucesso”. O maior desafio para isto é a adoção contínua de hábitos saudáveis de vida. Editor associado do periódico médico norte-americano Atherosclerosis, Moriguchi enfatiza que não há como dissociar saúde do corpo e a saúde do cérebro. Elas estão inter-relacionadas e uma depende da outra. Ele afirma que o tempo ideal para se iniciar os cuidados para se ter um envelhecimento saudável é antes do nascimento, com a educação da mãe com hábitos de vida saudáveis para que possa gerar crianças que nasçam saudáveis e que eduque as crianças, desde pequenas, para hábitos de vida saudáveis (incluindo estímulo cerebral para coisas belas e construtivas).

O grande pico de desenvolvimento da nossa memória se dá na transição entre a primeira para segunda infância, posteriormente, da segunda infância para pré-adolescência, com seu maior ápice entre os 25 a 30 anos de idade. O maior declínio da memória começa a partir dos 60 anos, tendo seu pico maior entre 75 a 80 anos, explica o psicólogo do Kurotel Michael Zanchet. As memórias mais afetadas por declínio ao longo da vida são: prospectiva (do planejamento futuro, da agenda), episódica (de fatos, eventos, aprendizagem de novas informações) e memória de trabalho (para dupla ou múltiplas tarefas). A última memória a sofrer influência é a semântica (de longo prazo, de conhecimento geral e conceitual). Por isso, assim como todas as funções do nosso corpo, naturalmente, a memória também envelhece. Dessa forma, é sempre importante exercitar o nosso cérebro e lançarmos estímulos, mas ao mesmo tempo, termos período de reparo e de relaxamento.

A força das emoções

O Diretor do Instituto do Cérebro e da Criatividade na Universidade do Sul da Califórnia (EUA), António Damásio investiga há 40 anos o papel do fator emocional na racionalidade humana. Entre suas principais conclusões, está a de que os sentimentos e as emoções são vitais em nossos pensamentos e decisões. “As emoções e os sentimentos são extremamente importantes na forma como guiam o nosso pensamento e o nosso comportamento.” E vai além: “É preciso compreender que não se pode ter nem mente humana nem comportamento humano sem haver corpo. São duas coisas que estão perfeitamente ligadas. E por outro lado há também o fato de que as emoções são reações que acontecem no corpo e que têm uma maneira de ser vividas, de ser experimentadas no pensamento, na mente, e é a isso que se chama sentimento. E o valor das emoções e do sentimento é muito grande, porque funcionam como uma espécie de guia, de bússola de nosso comportamento. Elas marcam momentos para que possamos recuperá-los como uma espécie de norte.”

Além disso, atualmente, novas evidências vêm apontando que a emoção pode ter papel importante para o armazenamento da memória, explica a médica geriatra do Kurotel, Evelise Silveira. Ela explica que isto faz parte do mecanismo evolutivo do ser humano e foi necessário para a preservação e proteção da espécie.

Informações digitais ameaçam nosso cérebro

Não há dúvidas. Vivemos o tempo do conhecimento, das facilidades, dos avanços tecnológicos. O trabalho passou a ocupar muito mais espaço na vida de cada um, às vezes, deixando pouco tempo para si ou para a família, num movimento praticamente involuntário.

Resultado de imagem para mexendo no celular

Vivemos a época do barulho. O ruído é constante. O incessante fluxo de informações digitais ameaça a própria arquitetura do cérebro, afirmou António Damásio, pesquisador português que é referência mundial na pesquisa do cérebro humano. Afirmação compartilhada pelo neurocientista Iván Izquierdo, também autoridade no assunto. “Vivemos uma intoxicação cerebral diante de tantos ruídos-estímulos.” Izquierdo adverte que, mais do que o ruído, o que a humanidade enfrenta atualmente é um ruído permanente, já incorporado ao hábito da veloz sociedade capitalista contemporânea.

Tão importante quanto cuidar da saúde do nosso corpo é cuidar da saúde do nosso cérebro, estando sempre atento à memoria e às emoções.

Dia Mundial do Doador de Sangue

No dia 14 de junho comemora-se o Dia Mundial do Doador de Sangue. A partir de 2004 a Organização Mundial de Saúde (OMS) convencionou essa data, em homenagem ao médico prêmio nobel Karl Landsteiner, descobridor do sistema ABO de grupos sanguíneos.

Resultado de imagem para doação de sangue

O objetivo dessa celebração é promover campanhas e ações culturais para estimular a população a doar sangue e hemoderivados. Estatísticas mundiais revelam que os países que tem maior índice de doadores são os de alta renda. No entanto as maiores demandas por bolsas de sangue encontram-se nos países pobres e subdesenvolvidos. Além da conscientização da importância de ser um doador regular, vale ressaltar o cuidado com a saúde, estilo de vida saudável e visão preventiva para uma amostra de boa qualidade. No dia da doação são realizados medidas e exames que garantem segurança na coleta e também para o receptor dos componentes doados.

Os requisitos para ser um doador de sangue são:

  • Estar em boas condições de saúde.
  • Ter entre 16 a 69 anos.
  • Pesar no mínimo 50kg.
  • Estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas).
  • Estar alimentado, sendo que a ingestão de alimentos gordurosos deve ser evitada nas 4 horas que antecedem a doação.
  • Condições como febre, hipertensão arterial, anemia, amamentação e gravidez impossibilitam a doação de sangue.

Seja um doador regular de sangue, estimule seus amigos e familiares a praticar essa boa ação, não somente em casos esporádicos de necessidade especial de entes queridos.

Doar sangue salva vidas!

Dr. Pedro Paulo Prudente – Médico do Esporte do Kurotel

 

 

Piloto automático, o comportamento repetitivo

O que as pessoas em geral costumam chamar de ciclo vicioso, nada mais é do que uma complexa economia psíquica. O resultado desta economia é o cérebro operando na coleta de informações e guiando o comportamento de maneira conveniente. Não importando se a consciência está ou não envolvida na tomada de decisão. E, na maior parte do tempo, não está. E é aí que mora o perigo. O cérebro funciona principalmente no piloto automático, baseado em nossas memórias, fazendo pressupostos sobre as informações que recebe e estes pressupostos se baseiam em nossas experiências anteriores. Por esta razão a maior parte do que fazemos e sentimos não está sob nosso controle consciente. A nossa mente é uma mescla de partes acessíveis e inacessíveis. Por outro lado, do ponto de vista do trabalho, o piloto automático é desafiado.

Resultado de imagem para pessoa trabalhando

A criatividade é uma das competências mais requisitadas em um ambiente de mudanças constantes e de busca por inovações. A capacidade de resolver problemas, desenvolver novos produtos é buscada em gestores, empresário ou outros profissionais. E é uma competência que pode ser desenvolvida e exercitada. A criatividade é dependente também de uma boa memória, pois é do acesso às informações guardadas que depende a capacidade de cada um em criar novas respostas, armazenar novas soluções e acessá-las com a flexibilidade para criar algo novo, ou simplesmente eficaz. Uma postura criativa com relação à vida em geral.

 

News Kur – Workaholismo: a mente viciada no trabalho

Embora ainda não exista um consenso sobre a definição de Workaholismo, a maior parte dos autores indica um padrão baseado na compulsão e no excesso. Isso significa que pensa em trabalho de forma obsessiva e também se dedica a ele de forma excessiva. Desse modo, o Workaholic acaba negligenciando outras áreas da vida, como a família, a saúde, relacionamentos e a própria felicidade. Também o faz em resposta a um impulso para evitar o contato com sua vida pessoal. Além disso, é comum um descontentamento constante com o trabalho e com a empresa da qual faz parte.

É um engano pensar que um Workaholic está sempre trabalhando. Esses profissionais, muitas vezes, apresentam uma relação irregular com o trabalho. Podem passar por períodos de baixa produtividade, ou mesmo forçarem-se a algum tempo livre. Porém, nesse momento estão pensando ansiosamente no trabalho a fazer, ou que julgam que deveriam estar fazendo. Vivem uma eterna crise, sempre com algo importante “para ontem”.

O estresse resultante da constante tensão e ativação ansiosa é comum na vida do Workaholic. Vários outros prejuízos à saúde ocorrem num contexto em que o autocuidado é visto como secundário. Costumam ser sedentários, saltam refeições ou alimentam-se mal. O ponto final desse processo desequilibrado é a Síndrome de Burnout, a Depressão, ou uma série de doenças físicas que podem levar a morte, como lembram alguns autores.

Na linha de fogo direta do Workaholic está sua própria família. É comum que digam que trabalham para oferecer qualidade de vida para filhos e cônjuges, mas a falta que fazem em casa é sentida. Dizem que os filhos estão em primeiro lugar, mas não acompanham seu crescimento. Chegam em casa quando os filhos já estão dormindo e saem quando ainda não acordaram. A qualidade do relacionamento conjugal também sofre negativamente. O Workaholic espalha o estresse por onde passa.

É comum que se pense que os Workaholics são profissionais produtivos e de grande interesse para qualquer empresa. Porém o que se observa é que eles “trabalham duro”, mas não de forma eficaz. O Workaholic tem uma compulsão por criar mais trabalho e crises, pois é esse o seu alimento. Por seu caráter perfeccionista e rígido, costuma ter dificuldade em delegar e muitas vezes em terminar projetos. Há que lembrar que o Workaholic geralmente não tem prazer no trabalho. Ele não é um “worklover”. Esse estado de estresse acaba por contagiar sua equipe, especialmente quando ocupa uma posição de gestor, criando um clima de trabalho pesado, de desconfiança e de menos colaboração. É um engano pensar que o estresse deixa a pessoa mais criativa e produtiva. Pelo contrário, sabemos que o indivíduo estressado atua de forma mais conservadora e recorre às respostas de sempre para enfrentar os problemas, mesmo que não sejam eficientes.

A base para prevenir ou tratar o Workaholismo, assim com qualquer consequência negativa associada, é o equilíbrio entre o trabalho, os cuidados com a saúde a vida pessoal. Pessoas que se engajam em regimes de trabalho muito rígidos e exigentes devem buscar proteger seu equilíbrio. Porém, o mais comum é que conforme o trabalho aperta, as pessoas deixem justamente o que deveriam preservar, abandonando atividades físicas, de relaxamento, amizades e família. Assim a balança começa a pender demais para o lado do trabalho e o equilíbrio se perde. A justificativa clássica é a falta de tempo, mas sabemos que medidas como uma alimentação saudável não depende necessariamente disso e no Kurotel, ajudamos nossos clientes nessa organização. Se há menos oportunidades, a qualidade do relaxamento pode ser potencializada e a atividade física organizada de forma coerente. O maior engano que se pode cometer é recorrer às alternativas que a sociedade moderna nos tenta vender, como o álcool, os cigarros e a automedicação, aumentando o desequilíbrio. Mesmo com tantas pressões, o equilíbrio depende principalmente de nós mesmos.  Ações como: aprender a dizer não, proteger e potencializar o uso do nosso tempo de descanso e lazer de maneira saudável, cuidar da saúde, resolver problemas, cuidar do sono, são medidas que resultam em equilíbrio. Assim, se pode corresponder ao que a vida nos pede e verdadeiramente proporcionar resultados sólidos e sustentados.

Muitas empresas já estão com uma visão mais moderna e percebem não só a importância da qualidade de vida e saúde de seus trabalhadores, mas também a relação direta que têm com a produtividade. Investir no equilíbrio pessoal dos trabalhadores significa motivar e manter talentos, potencializando seu comprometimento com a empresa.

 Francisco da Costa, psicólogo que particiou do desenvolvimento do Programa Memória do Kurotel, estudou o tema Workaholismo para sua Tese de Mestrado nas Universidades de Barcelona e Coimbra. Seu trabalho foi realizado a partir de uma amostra de gestores brasileiros.

News Kur – Memória

A memória é nossa identidade, toda vez que recuperamos ou aprendemos informações novas estamos utilizando a nossa memória. O cérebro necessita de estímulos para manter-se ativo cognitivamente. Todas as atividades que trabalham a cognição, a atenção, o raciocínio lógico, o tempo de reação, estão a serviço de estimular a memória, criando reservas cognitivas para o presente e futuro.

Conhecer a nossa memória é importante preventivamente para estabelecermos estratégias de compensação. Por isso, no Kurotel a equipe da psicologia é treinada para aplicar testes neuropsicológicos e tarefas clínicas padronizadas a fim de mensurar estatisticamente como está a memória do cliente pela faixa etária e grau de escolaridade, tendo como resultados: dentro da média esperada, acima da média ou abaixo.  Assim como psicoeducar o cliente do que está em torno da memória e que pode influenciar positivamente ou negativamente.

Dessa forma é possível fazer os encaminhamentos adequados, seja com o caráter preventivo ou de tratamento. A psicologia do Kur espera por você.

Michael Zanchet – Psicólogo do Kurotel

 

News Kur – Dia Mundial do Bem-Estar

Trata-se de um projeto social sem fins lucrativos com o objetivo de conscientizar pessoas sobre a importância de bons hábitos e de estar em paz consigo mesmo, gerando motivação para seguir o MANIFESTO DE 7 PASSOS (ilustrado abaixo) para uma vida mais saudável.

Conheça o MANIFESTO DE 7 PASSOS:

  1. Caminhe por 1 hora – https://www.youtube.com/watch?v=U3dOw_uW7dc
  2. Beba mais água – https://www.youtube.com/watch?v=aHMsRMkFQo4
  3. Coma saudável –https://www.youtube.com/watch?v=gZjP-_ljEMY
  4. Evite garrafas plásticas –https://www.youtube.com/watch?v=auX4lIebsWw
  5. Faça uma boa ação –https://www.youtube.com/watch?v=GVKaSBcHSAw
  6. Priorize um tempo com a família – https://www.youtube.com/watch?v=vu6WrkozPqs
  7. Durma bem- https://www.youtube.com/watch?v=RHLxIXMghIE

O dia é celebrado anualmente, no segundo sábado de junho, em quase 100 países de 5 continentes concomitantemente. Mas a ideia é que este momento marque uma mudança que se estenda pelos demais 364 dias do ano. No Brasil as irmãs Rochele e Mariela Silveira, sócias diretoras do Kurotel – Centro Médico de Longevidade e Spa, são as embaixadoras, engajadas na disseminação deste projeto.

Agora que conhece o Global Wellness Day, contamos com o seu apoio, para que, de forma conjunta, ele alcance o maior número de pessoas possível. Caso você tenha sinergia com a ideia, divulgue os vídeos para os seus funcionários, amigos e familiares, utilizando o slogan “Um dia que pode mudar a sua vida. DIGA SIM você também. I Say Yes! Eu digo sim!”

Temos certeza que, desta forma, poderemos transformar a vida de muitas pessoas. Caso realize alguma ação, nos comunique para que possamos compartilhar sua iniciativa nas redes oficiais do projeto.

Veja o canal do YouTube Dia Mundial do Bem-Estar – GWD Brasil, acompanhe o Facebook Global Wellness Day Brasil e Instagram @Globalwellnessdaybrasil.

Desde já agradecemos a sua atenção apoio e participação.

Um abraço,  Rochele e Mariela Silveira – Embaixadoras GWD no Brasil

Programa Memória Kurotel

O Kurotel – Centro Médico de Longevidade e Spa está sempre escutando seus clientes para poder atender a todas a suas necessidades da forma mais personalizada possível. Nos últimos anos, a equipe percebeu muitas pessoas cansadas, esgotadas com o seu trabalho e até com sua rotina pessoal, e que buscavam simplesmente “sair de circulação”. Isso sinalizou para a necessidade de ajudar ainda mais o cliente no encontro de alternativas para uma vida com qualidade e, principalmente, adaptadas à sua realidade e necessidades.

Nossas vidas e comportamentos, em geral, se baseiam em hábitos. Muitas vezes, repetimos as mesmas rotinas ou tentativas de resolução, mesmo que os resultados não sejam os melhores. Podemos conviver desconfortavelmente com problemas durante muitos anos, sem buscar soluções diferentes, diz o psicólogo Francisco da Costa do Kurotel.

O Programa Memória é uma oportunidade de não somente quebrar a rotina, mas fazê-la de forma responsável e eficaz. O tempo no Kurotel é investido em conhecer o próprio funcionamento, instrumentar-se para uma visão mais criativa e a partir dessa perspectiva planejar e abrir caminho para mudanças reais e sustentadas. O Kurotel criou um conjunto de tratamentos e atividades para as pessoas que querem priorizar o cuidado com a mente de forma mais direta com o cérebro. Em especial a memória, através de uma avaliação específica que fornece informações que direcionam as diversas intervenções de acordo com os resultados individuais. Sem esquecer-se de que isso também é consequência de um corpo saudável. Dificuldades de memória, a necessidade de uma visão mais espirituosa e produtiva no trabalho e na vida pessoal, o cansaço mental, o desequilíbrio entre a vida pessoal e o trabalho, são questões endereçadas nas atividades deste programa que é uma novidade e também uma oportunidade para cuidar da mente.

Como a memória é complexa, seu cuidado também requer o olhar de diferentes pontos de vista. Os aspectos fisiológicos e de funcionamento do cérebro ficam sob os cuidados médicos. Exames complementares são solicitados para avaliar se o déficit é decorrente de doença com ou sem o comprometimento do Sistema Nervoso Central. Na avaliação completa da memória são aplicados testes e instrumentos neuropsicológicos, com o objetivo de se estabelecer um perfil de funcionamento da memória de cada pessoa. “É importante este conhecimento, pois a partir dele poderemos trabalhar para estimular e melhorar a qualidade do seu funcionamento”, explica a neuropsicóloga Jacqueline Trindade, do Kurotel. Com isso, “podemos fornecer orientações adequadas em nível preventivo, terapêutico e de encaminhamentos, quando necessário,” avalia o psicólogo do Kurotel Michael Zanchet.