NEWS KUR: Autoconhecimento para melhores resultados

Estresse, ansiedade, medicamentos, genética, são alguns fatores que acabam gerando sobrepeso em algumas pessoas, mas existe um fator que muitas pessoas ignoram: a hipersensibilidade alimentar.

Você sabe a diferença entre alergia alimentar e a hipersensibilidade alimentar?

A alergia alimentar é caracterizada por uma resposta imediata do sistema imunológico quando nos expomos a algum alimento específico (geralmente alguns minutos ou até 2 horas após o consumo do alimento). Os sintomas geralmente são irritações na pele, coceiras, edemas (inchaço), fadiga, diarreia e vômitos, e em casos mais graves, choque anafilático. Quando exposto ao alimento ao qual desenvolveu alergia, o corpo reage produzindo anticorpos do tipo IgE, que geram rapidamente todos os sintomas relacionados acima.

Já as hipersensibilidades alimentares são causadas por uma resposta imune a um determinado alimento ou até mesmo diversos alimentos ao mesmo tempo, mas mediados por outros anticorpos, os anticorpos do tipo  IgG. Em circunstâncias normais, esses anticorpos se combinam com proteínas do alimento e formam complexos que são eliminados pelo sistema imunológico. Entretanto, se o sistema imune está sobrecarregado ou existe contato muito frequente com o alimento, os complexos podem acumular em locais como articulações, tecidos, mucosas ou o trato digestivo e produzem sintomas de hipersensibilidade alimentar. Já se sabe que digestão inadequada, parasitas intestinais, alteração da flora intestinal, dieta pobre em nutrientes, consumo de álcool, infecções intestinais, suscetibilidades genéticas ou efeitos de medicações podem estar envolvidos com o início do desenvolvimento das hipersensibilidades alimentares.

Os sintomas da hipersensibilidade costumam ser muito variados e podem aparecer até 5 ou 10 dias após comer um alimento a qual se tem reação e pode durar por semanas ou meses, por isso é bastante difícil associar quais alimentos podem estar causando os sintomas. Nem sempre existem sintomas quando o alimento é ingerido apenas uma vez.

Os sintomas mais característicos são: dores de cabeça, dores nas articulações, enxaquecas, flatulência, diarreia e/ou constipação, dores abdominais, náuseas, fadiga, depressão, retenção hídrica, urticária, rinite, sinusite, asma, bronquite, artrite, dermatite ou coceiras na pele, dificuldade de concentração, síndrome de fadiga crônica, fibromialgia, síndrome do intestino irritável, distúrbios de sono e insônia, problemas de controle de peso.

Food Detective um aliado no combate a obesidade

Com apenas uma gota de sangue você consegue realizar um exame completo para detectar intolerâncias alimentares. Trata-se do Food Detective, o novo aliado para uma alimentação saudável e personalizada pelas necessidades individuais de cada pessoa.

Food Detective é um exame desenvolvido pela Cambridge Nutritional Sciences (Inglaterra), simples, rápido e específico para identificar produção de anticorpos do tipo IgG. O teste utiliza o método ELISA para detecção dos anticorpos e avalia a intolerância a 59 alimentos, onde o resultado fica pronto no mesmo dia.  Ele é indicado para todos que desejam seguir uma alimentação mais individualizada, que promova a saúde do seu organismo.

A finalidade do exame é identificar a intolerância alimentar e é recomendado para pessoas com sensibilidades alimentares e que podem apresentar sintomas muito variados e problemas de controle de peso.

O Food Detective é um aliado no combate à obesidade, pois a sensibilidade imunológica a algum alimento que esteja sendo consumido com frequência por um indivíduo aumenta a produção de substâncias tóxicas ou inflamatórias no organismo, que alteram o metabolismo e dificultam os processos de emagrecimento.

Termografia, uma aliada na prevenção

No programa Pré-Operatório, o cliente passa por consultas clínica, psicológica, nutricional, fisioterapêutica e também, por alguns exames, onde, dentro desta avaliação, tem a possibilidade de realizar o exame de Termografia Infravermelha.

A Termografia é uma técnica que permite mapear o corpo ou uma região com o intuito de distinguir áreas de diferentes temperaturas. O exame é sem contraste, indolor, não invasivo, sem radiação, rápido para a captura de imagens e sem contraindicação, é realizado com a duração de aproximadamente 60 minutos.

Neste método de diagnóstico por imagem é possível avaliar se há atividade inflamatória ou lesiva em estruturas do corpo como: tendões, músculos, nervos e vasos sanguíneos muito antes das manifestações de dor. O exame permite avaliar o prognóstico clínico e, consequentemente, resolver mais objetivamente as questões médicas.

As principais aplicações clínicas são: avaliação funcional do sistema neuro-vegetativo simpático, distúrbios inflamatórios, vasculares, neurológicos e neoplásicos; avaliação do risco de câncer de mama e distúrbios da tireoide; neuropatias periféricas e centrais; insuficiência arterial periférica; dores miofasciais; vasculites, varizes; acidente vascular periférico; síndrome fibromiálgica; artrite reumatoide, osteoartrite; cefaleias; bursites, entre outros.

Como qualquer outro exame, não deve ser utilizado isoladamente em substituição ao exame clínico ou aos demais meios complementares de diagnóstico. É uma valiosa ferramenta para a área médica e fisioterapêutica, por sua hábil função, tanto na prevenção primária da saúde quanto auxiliando no tratamento.